Abuso de autoridade: Renan foi derrotado, mesmo com o PT ao lado dele até o final da batalha

Abuso de autoridade: Renan foi derrotado, mesmo com o PT ao lado dele até o final da batalha

No último 14 de dezembro, Renan Calheiros tentou mais uma vez caminhar com seu projeto que supostamente combate o abuso de autoridade, mas é visto pelo próprio Sérgio Moro como uma grave tentativa de melar a Lava Jato. E mais uma vez o peemedebista tentou atropelar o regimento da casa que ainda presidia, tentando aprovar uma urgência na tramitação do projeto.

Contudo, percebeu que não teria votos para vencer e acatou proposta apresentada pelo senador José Agripino, que sugeriu ao presidente do Senado levar o “Abuso de Autoridade” à Comissão de Constituição e Justiça, e ser votado pelo plenário após pelo menos três sessões na CCJ. Com isso, a tentativa de barrar a Lava Jato foi empurrada para 2017, quando o presidente do Senado será outro.

Antes de desistir da manobra, Renan Calheiros contou com dois senadores discursando em seu favor. Primeiramente, Roberto Requião, do próprio PMDB. Na sequência, Humberto Costa, do PT.

Sim, o PT esteve com Renan Calheiros até nos minutos finais. E petistas ainda têm a cara de pau de dizer que o impeachment de Dilma teria sido um processo tocado para melar a Lava Jato, quando resta evidente que isso interessa ainda mais ao próprio petismo.

Mas a guerra não acabou. Renan vai deixar a Presidência do Senado, mas não deixará de presidir. Pois batalhará a Presidência justo da CCJ. E dará muito trabalho.

A opinião pública precisa continuar em cima.