Com a Operação Lava Jato, o PT teve a maior perda de filiados de toda a sua história

06/07/2017- Brasília- DF, Brasil- Presidente, Gleisi Hoffmann, durante primeira reunião do novo Diretório Nacional do PT. reunião. Presidente Lula.

Os dados da “Pulso Brasil”, do instituto Ipsos, não só desenharam o apoio maciço – por volta de 96% – à continuidade da Lava Jato, antevendo que, em 2018, quem atacar a operação terá dificuldades fora do comum. Ela também serviu de alerta para o estrago que a operação fez naquele que comandou o país por 13 anos seguidos.

Na ocasião, O Globo complementou a informação com um dado em sentido similar: em decorrência da mesma Lava Jato, o PT perdera quase 7.500 filiados, a maior queda de toda a história do partido.

Se servir de consolo aos petistas, outras siglas poderosas, como PMDB e PSDB, ainda que por margem menor, também foram impactadas pelo noticiário.

Tal fato se soma à tese de que a velha política estaria saturada – valendo atrelá-la ao eventual crescimento de legendas novas ou dissociadas dos chamados “grandes partidos”.

Pesquisa Ipsos demonstrou o óbvio: quem for contra a Lava Jato terá dificuldades em 2018

09/09/2015- Brasília- DF, Brasil- O juiz federal Sérgio Moro durante audiência pública na CCJ do Senado.

Não se trata apenas de “mau negócio” adotar o discurso anti-Lava Jato. Politicamente, seria o mesmo que um suicídio. É o que indicam os números do “Pulso Brasil”, levantamento nacional do instituto Ipsos. No levantamento de julho de 2017, nada menos do que 96% dos entrevistados responderam favoravelmente quanto à continuidade da operação.

Quem teria coragem de adotar discurso contra a opinião da quase totalidade da população? Apenas os que serão prejudicados pela operação e veem como única alternativa desacreditá-la alimentando narrativas contrárias.

Na mesma pesquisa, para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à corrupção combatida pela Lava Jato – uma alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Reviravolta no caso do atropelamento de skatistas reforça necessidade de cautela na acusação

Dias atrás, surgiu um vídeo – curiosamente narrado por alguém falando em italiano – no qual um motorista avançava sobre skatistas, que estavam numa espécie de “passeata” (ou o equivalente a isso no mundo do skate). Evidentemente, imagem chocante, e logo entrou em ação o Tribunal da Internet.

Acusaram o motorista de tudo, aproveitando também para inserir o discurso ideológico contrário à “carrocracia”.

E então aparecem novos vídeos, que mudam completamente a narrativa. Nas novas imagens, um skatista corre atrás do carro e joga o skate sobre o veículo, que passa a ser atacado por muitos outros e, então, acaba avançando – ele alegou que tentava escapar de um linchamento, fora que estaria com a mãe idosa, de 80 anos.

Para completar, a ‘passeata’ ganhou as ruas ANTES da autorização expressa da CET, embora estivesse programada para mais cedo (independentemente da programação, é necessário que esse tipo de evento aguarde – mesmo em atraso – até que os órgão de tráfego autorizem o início).

Uma tragédia, portanto. Claro que, ainda com tudo isso, o motorista tem sua parcela de responsabilidade, mas a narrativa já é toda outra. Novo episódio a reforçar a necessidade de cautela nas condenações online.

Por fim, segundo informou a Bandnews, a prefeitura vai processar os organizadores.

Lava Jato: processo contra Lula sobre o Triplex tem várias provas – e mostramos aqui algumas

Construiu-se a narrativa de que um dos processos contra Lula na Lava Jato, o do triplex do Guarujá a ele atribuído, não teria provas. Seriam apenas delações e “convicções” (sempre bom repetir que isso da ‘convicção sem provas’ é simplesmente uma mentira da esquerda). E a denúncia, por óbvio, foi instruída com farto conjunto de provas documentais – e até fotografias do ex-presidente visitando o imóvel acompanhado do dono da construtora.

Vejam a lista a seguir, depois voltamos:

A denúncia na íntegra pode ser vista aqui (em pdf)

Pois é…

Por que haveria contrato do tal imóvel? Por que teriam mesmo rasurado esse contrato? Por que Lula visitou o apartamento, e acompanhado do dono da construtora? São perguntas que devem ser respondidas no processo, e não cabe aqui qualquer análise precipitada, pois caberá à justiça avaliar isso tudo. Porém, não é verdade que inexistiriam provas.

Como se trata de um caso apurando ocultação de patrimônio, é natural que o conjunto probatório não tenha escritura ou algo assim. Desse modo, são reunidos documentos, para além de evidências e depoimentos, para que a tese seja corroborada. Algo que, repita-se, depende do judiciário.

Por fim, vale lembrar do bom levantamento da Revista Época, que reuniu provas apresentadas em casos diversos, incluindo outras pessoas e outros partidos.

Atacaram Dallagnol por palestras, mas dinheiro foi doado a hospital para crianças com câncer

09/08/2016 – Brasília – DF, Brasil Audiência Pública sobre o PL 4850/16, que estabelece medidas contra a corrupção. Procurador da República, Dr. Deltan Dallagnol.

Usamos aqui uma máxima que sempre se comprova: a esquerda não perde uma oportunidade de perder uma oportunidade. E este é mais um caso de oportunidade “não perdida”, por assim dizer. Acompanhem.

Foi noticiado que Deltan Dallagnol, procurador da força-tarefa da Lava Jato, realizava palestras e, com elas, chegou a ganhar cerca de R$ 200 mil reais. Imediatamente, é claro, os esquerdistas tentaram emplacar a narrativa de que a defesa do combate à corrupção seria para ter lucro com esses eventos.

Eis que a história dá uma reviravolta.

Segundo informa o próprio Hospital Erasto Gaertner, o dinheiro foi doado para a construção do “Hospital Erastinho”, voltado ao atendimento de crianças com câncer. Confiram a seguir tanto a publicação de Dallagnol como também a do hospital:

Enfim

E os da esquerda, o que fazem com a dinheirama das palestras?

Brasileiros confiam (muito) mais nas Forças Armadas do que na imprensa, aponta Datafolha

De quando em vez, o Datafolha realiza levantamentos sobre a confiança dos brasileiros nas instituições. Congresso Nacional, Presidência da República e partidos políticos, invariavelmente, são alvo das maiores rejeições, com percentual baixíssimo de confiança. E isso se repetiu na pesquisa divulgada neste domingo pela Folha de SP.

Mas há um dado que merece ser mencionado. A segunda colocada, imprensa, atinge números bem inferiores ao da instituição líder da confiança dos brasileiros: as Forças Armadas.

Elaboramos dois gráficos com os dados fornecidos. Primeiro as legendas, depois a “pontuação” das FFAA e da velha mídia:

Entre os que “confiam muito”, as Forças Armadas alcançam quase o dobro da imprensa – e esta, por sua vez, tem quase o dobro entre os que não confiam. É uma disparidade imensa.

Nosso palpite: os ataques constantes da esquerda aos militares faz com que essa distância cada vez aumente mais. Porém, a bolha ideológica esquerdista não enxerga nem mesmo essa obviedade.

Ajude a combater mais um boato mentiroso espalhado contra o juiz Sergio Moro, da Lava Jato

Há alguns anos, e sem sucesso, a máquina de reputações da esquerda concentra forças contra o juiz Sergio Moro. A última deles é o “Caso Banestado”, escândalo envolvendo o referido banco do Paraná em remessas de dólares para o exterior.

Primeiro, a boataria mentirosa, depois voltamos com os fatos:

Pois bem, não é nada disso. Sergio Moro condenou QUATORZE envolvidos no caso. Sua atuação foi considerada “excessiva”, curiosamente, pelo mesmo Gilmar Mendes, do STF, que hoje é crítico da primeira instância da Lava Jato. Anos depois, o STJ anulou a condenação de sete dos quatorze sentenciados por Moro.

Foi isso que houve, bastaria checar as fontes reais.

Ah, mas e o Alberto Yousseff? O doleiro fechou acordo de delação premiada, que permitiu a condenação daqueles quatorze réus. Depois de novamente se envolver em práticas delituosas, o acordo foi revogado e e ele recebeu condenação TAMBÉM no caso Banestado, em 2014.

Desse modo, para conseguir atenuar a própria situação, ele precisou REALMENTE fazer uma delação bem caprichada, para que a justiça conseguisse alcançar pessoas até então “inalcançáveis” – e é esse o espírito do instituto da delação.

Foi o que houve e, graças ao procedimento, a Lava Jato chegou aonde está.

É preciso, portanto – e mais do que nunca -, combater as boatarias da esquerda. Eles não estão nada felizes com isso de pessoas “inalcalçáveis” terem sido alcançadas.

Cunha contraria versão de Joesley e fala em encontro com Lula sobre o impeachment de Dilma

Na entrevista concedida à revista Época desta semana, o dono da JBS/Friboi, Joesley Batista, afirmou que só se encontrou com Lula em duas ocasiões: uma em 2006 e outra em 2013. Porém, o ex-deputado Eduardo Cunha, atualmente preso na Lava Jato, contestou essa versão.

Segue trecho da nota emitida por Cunha:

“Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência […] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment […] onde pude constatar a relação entre eles e os constantes encontros que eles mantinham”

Pode ser um blefe? Sempre. Mas seria ARRISCADÍSSIMO simplesmente inventar um fato. Resta saber se há algum registro dessa reunião e, em caso positivo, a coisa fica ainda pior. Sim, Cunha tem seus interesses, mas Joesley também os tem. Se os fatos já devem sempre prevalecer sobre as versões, nesse tipo de caso tal imperativo é ainda mais contundente.

Em tempo: mais cedo, a Folha de SP divulgou contradições na entrevista, por parte do dono da JBS.

Vídeo: ex-guerrilheira confessa o real objetivo da esquerda durante o regime militar

Ao lidar com a história, é preciso ter olhar crítico para TODOS os lados, sempre. Não faz sentido, por exemplo, repudiar o período militar do Brasil das décadas de 60/70/80 e ao mesmo apoiar a ditadura de Getúlio Vargas. A esquerda faz isso. Além, claro, de apoiar ditaduras como a cubana e a venezuelana.

Mas sigamos.

Os movimentos de guerrilha urbana, por óbvio, não pretendiam depor o regime para implantar uma democracia. Isso é balela. A ideia sempre foi a de promover uma revolução em que se instituísse uma ditadura, como ocorreu em alguns países.

Nada melhor, portanto, do que a opinião de alguém que estava lá. Confiram:

Pois é. Trata-se de Vera Sílvia Magalhães e o vídeo na íntegra poder visto aqui.

Total gasto na Olimpíada: R$ 41 bilhões – metade disso já cobriria o déficit do RJ em 2017

Refeitas as contas, chegou-se ao valor absurdo de R$ 41,03 bilhões, composto de R$ 7,23 bilhões em obras das instalações olímpicas, R$ 9,2 bilhões foram para o “Comitê Rio 2016” e R$ 24,6 bilhões foram gastos nas obras “de legado”.

Para se ter ideia do que isso significa, basta lembrar que o orçamento do RJ para 2017 tem um déficit de R$ 19 bilhões, ou seja, METADE do que foi gasto nos Jogos Olímpicos da capital.

O total gasto na Olimpíada, portanto, cobriria todo o buraco do orçamento fluminense deste ano e ainda sobrariam mais de R$ 20 bilhões.

E o legado? Pois é.