Grazziotin: criticou a gestão privada de presídios, recebeu doações de empresas que os gerem

Grazziotin: criticou a gestão privada de presídios, recebeu doações de empresas que os gerem

O brasileiro deve lembrar de Vanessa Grazziotin pois ela foi uma das mais ferrenhas defensoras de Dilma Rousseff no julgamento do impeachment. Pois bem. A senadora é do PCdoB, partido que ainda insiste nos argumentos mais arcaicos do esquerdismo brasileiro. E aproveitou a recente crise do sistema carcerário brasileiro para atacar o modelo de privatização de presídio explorado no Norte.

O problema? Quatro empresas ligadas ao grupo que administra presídios na região foram os maiores doadores na campanha em que Vanessa tentou se tornar prefeita de Manaus, em 2012. Ao todo, foram R$ 2,9 milhões em doações, ou 20% dos R$ 13,4 milhões recebidos.

O Globo cita quatro empresas, todas ligadas a Luiz Gastão Bittecourt, presidente da Fecomércio cearense: Auxílio, RH Multi Service, Serviarm e Serval. O Antagonista é categórico ao dizer que a grana vem do grupo Umanizzare, responsável pela gestão do presídio onde se deu a maior das chacinas no Amazonas.

Em artigo para a Folha, Vanessa disse: “No Amazonas, há ineficiência da empresa privada que opera os presídios. Há sobrepreço do contrato (triplo da média nacional), que já consumiu, de 2010 a 2016, R$ 1,1 bilhão do dinheiro público, parte dos quais irrigaram campanhas do governador e seus aliados.

Ela não sabia a origem de 20% da grana que irrigou a campanha dela?