Hacker tentou extorquir Marcela Temer na véspera da votação do impeachment de Dilma Rousseff

Hacker tentou extorquir Marcela Temer na véspera da votação do impeachment de Dilma Rousseff

Aos poucos fica mais clara a tentativa de extorsão sofrida por Marcela Temer. O hacker invadiu-lhe o celular quando Dilma Rousseff ainda enfrentava o impeachment. E aproveitou a véspera da primeira votação, aquela comandada por Eduardo Cunha, para atacar a atual primeira-dama.

Os detalhes estão em matéria da Veja que, no momento da redação deste texto, não mais se encontra no ar, sendo acessível apenas via cache. Por ordem da Justiça? Fato é que o texto de fato detalha o conteúdo das informações roubadas pelo hacker, algo que é proibido pela lei Carolina Dieckmann.

Ao final, contudo, é destacada uma informação alheia a todo o crime. E que mostra bem o caráter do criminoso por trás das informações exploradas pela imprensa:

“Esse fantasma poderá assombrar a família Temer mais uma vez. O hacker vai progredir para o semiaberto no mês que vem e já pediu a um dos seus advogados que agende visitas a programas populares de TV, pois seu sonho é ganhar fama e muito dinheiro.”

É por demais absurdo que o jornalismo queira atacar o atual presidente valendo-se de informações roubadas por este criminoso.