Legado olímpico: os mais pobres não conseguem pagar o preço das passagens do Metrô e do BRT

Legado olímpico: os mais pobres não conseguem pagar o preço das passagens do Metrô e do BRT

Com altos e baixos, como qualquer evento desse porte, até que os Jogos Olímpicos foram bons, agradaram e divertiram. Abertura e encerramento foram ótimos, bem como a sequencial paraolimpíada.

Mas, sejamos todos francos, nem tudo foram ou são flores.

Os custos foram altíssimos, não houve qualquer compensação financeira e, mais ainda, agora dois dos principais “legados” talvez não sirvam para o que deveriam atender.

Tanto o Metrô quanto o BRT não estão atraindo usuários como se imaginava. Motivo: preços altos. O povo mais carente – que, afinal, deveria ser beneficiário dessas obras – não tem dinheiro para pagar as passagens.

O Brasil muitas vezes é bizarro. E, definitivamente, não é mesmo para principiantes.