Para mascarar as contas públicas, governo saca alguns bilhões do fundo soberano

Para mascarar as contas públicas, governo saca alguns bilhões do fundo soberano

os fera
os fera

Em função do baixo crescimento econômico, o governo tem enfrentado dificuldades para cumprir a meta fiscal de superávit primário. A fim de tentar resolver o problema, exigiu que as estatais repassassem R$ 1,5 bilhão a mais em dividendos e informou que pretende sacar R$ 3,5 bilhões do Fundo Soberano, um tipo de poupança que foi criada em 2008 com o excesso de superávit primário daquele ano.

De acordo com o ministério [do Planejamento], a decisão de usar o fundo soberano em 2014 tem por objetivo “mitigar os efeitos do atual quadro econômico, caracterizado por uma perspectiva de crescimento mais baixo nesse ano”. O relatório diz ainda que “essa medida de política econômica visa a atenuação dos efeitos conjunturais de redução da arrecadação federal”.

Ou seja, a gestão petista mais uma vez faz uso de recursos questionáveis para maquiar o lamentável estado da economia brasileira. Em 2013 e 2012, a presidente Dilma também fez uso manobras semelhantes para conseguir cumprir a meta.

Em 2013, por exemplo, o superávit foi alcançado graças à reabertura do Refis, programa de parcelamento de dívidas de empresas com o governo, e também entraram na conta do superávit os valores recebidos por concessões, principalmente do Campo de Libra.

Em 2012, o BNDES foi autorizado a comprar ações da Petrobras que faziam parte das aplicações do Fundo Soberano. Essas ações foram repassadas ao Tesouro Nacional, que se desfez deles por R$ 8,84 bilhões – dinheiro que engordou o superávit. Junto com outras operações parecidas, a manobra rendeu R$ 12,6 bilhões para ajudar a fechar as contas do governo naquele ano.

Na época, o ministro da Casa Civil, Guido Mantega, defendeu a manobra, afirmando que “é uma medida concedida a países que possuem responsabilidade fiscal”.

O ministro refere-se ao que economistas chamam de “contabilidade criativa”, que consiste em fazer manobras contábeis legais nas contas públicas, tais como descontar os gastos com o PAC do conjunto de despesas realizadas no ano – transformando-as em investimento.

O ex-presidente Lula também foi bem criativo em um encontro com o empresariado nacional e internacional, apresentando diversos números não condizentes com a realidade.

Indicadores como investimento externo direto, dívida bruta e corrente de comércio, citados por Lula como “êxitos dos últimos 12 anos”, na verdade pioraram durante o governo Dilma.

O ex-presidente se enganou ainda ao citar dados sobre reajuste salarial, informações sobre exportação de alimentos e também a posição do PIB do Brasil no mundo, em especial na comparação com outras nações emergentes.

A piada mais recorrente dessa campanha é a do desejo de viver no país da propaganda eleitoral do PT. Dentro do marketing do partido, todas essas manobras arredondam o discurso e fazem com que sua militância ainda defenda com tanta paixão tudo o que vem ocorrendo nos últimos anos. Mas a realidade é bem mais complicada, a inflação e o desemprego, a depender do foco, já ultrapassam os dois dígitos. Mesmo que João Santana consiga operar seu milagre e garantir o segundo mandato para Dilma, está cada vez mais certo que o PT deve sair perdendo nessa campanha, governando menos estados e tendo uma representatividade menor nas câmaras. A maquiagem até tenta, mas não consegue esconder tudo.

Deixe um comentário