Confirmado: o governo Dilma legou ao Brasil a pior recessão de sua história

Em 1930 e 1931, em decorrência da crise da bolsa de Nova Iorque, o Brasil enfrentou dois anos de profunda recessão, com o PIB caindo respectivamente 2,1% e 3,3%. Até 2016, essa havia sido a maior recessão da história do país. Mas havia uma Dilma Rousseff no meio do caminho.

Porque o governo Dilma já havia registrado em 2015 uma desastrosa queda de 3,8%. E tudo indicava que 2016 seria ainda pior. O impeachment já trouxe algum resultado econômico, mas não o suficiente para apresentar boas notícias. E a queda de 2016 ficou em 3,6%, confirmando esta como a pior recessão da história do Brasil.

A esquerda vai tentar jogar a culpa no brasileiro que pediu o impeachment da ex-presidente. Mas você, leitor do Implicante, não vai deixar. Se o PT continuasse no poder, o brasileiro estaria hoje sendo noticiado de uma tragédia de proporções venezuelanas.

Para história, ficará que Dilma Rousseff legou ao país recessão pior que a da quebra da bolsa em 1929. Qualquer coisa diferente disso será uma mentira política.

Romero Jucá: Se há governo, ele topa ser líder (foi assim com Lula, Dilma e Temer)

Michel Temer confirmou o nome do seu novo líder no Senado. E ele é… Romero Jucá! Sim, o mesmo Romero Jucá que já havia sido líder do Senado nos governos Dilma Rousseff e Lula.

Andreia Sadi, da GloboNews, relembrou no Twitter que, durante o governo FHC, Jucá havia sido vice-líder.

O movimento apenas confirma que Brasília não aprende nem com os próprios erros.

Se você, leitor, não lembra, Jucá já foi ministro do Planejamento de Temer. E um dos primeiros a cair.

Por 20 anos, a Odebrecht pagou milhões de dólares a grupo terrorista da esquerda colombiana

As FARC são as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Com elas, não há meio termo: fazem uso do terrorismo para tentar implementar o socialismo em território colombiano. A inspiração é assumidamente marxista-leninista. Teriam por volta de 8 mil combatentes e, no intervalo de dez anos, sequestraram 6 mil alvos políticos, mantidos em cativeiro na selva amazônica.

Pois bem… Por duas décadas, a Odebrecht pagou uma mensalidade às FARC. Coisa gorda, entre 50 mil e 100 mil dólares. Tudo isso para poder atuar na região controlada pelos guerrilheiros. No melhor cenário, isso daria por volta dos 12 milhões de dólares. No pior, o dobro, algo perto dos R$ 70 milhões – na cotação atual.

Os fatos já são de conhecimento da operação Lava Jato, pois foram confessados pela empreiteira aos investigadores.

Legado do petismo: desempenho de estudantes do ensino médio está pior do que nos anos FHC

Educação

Coma base nos números do Sistema de Avaliação da Educação Básica, o MEC consegue descobrir a proficiência dos estudantes brasileiros. Em 2016, foi possível conhecer os dados de 2015, primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff.

Em Português, os alunos do ensino médio ficaram com 267,06 em média, um resultado pior que os 290 medidos em 1995, ainda no governo FHC. Em matemática, a média foi de 267, também abaixo dos 281,9 medidos vinte anos antes.

A situação é grave ao ponto de os alunos não obterem resultados aceitáveis nas quatro operações básicas: soma, subtração, multiplicação e divisão.

E pensar que a esquerda em peso pôs-se contra à reforma do ensino médio – já aprovada no governo Temer.

França suspeita que aliado de Cabral pagou propina milionária para o Rio virar sede olímpica

Em 29 de setembro de 2009, um milhão e meio de dólares foram transferidos para a empresa do filho de Lamine Diack, membro do COI e presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo. Neste mesmo dia, meio milhão de dólares foram transferidos para a conta de Papa Diack, consultor de marketing da mesma associação.

Toda essa grana saiu de uma empresa de Arthur Soares, que não só prestava serviços ao governo do Rio de Janeiro, como era grande amigo do governador, Sérgio Cabral.

Exatamente três dias depois, o Rio de Janeiro foi escolhido sede olímpica.

O Ministério Público francês viu na transação indícios concretos de que a escolha do Rio de Janeiro como sede olímpica foi em algum nível contaminada pela corrupção.

Na época, o governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, já havia alertado: “Eu ouvi dizer que o presidente brasileiro (Lula) veio fazer promessas ousadas aos representantes africanos.”

Sim, Lula e Sérgio Cabral eram aliados.

Primeira detida por lei antipichação de Doria tentou, pelo PT, ser vereadora de São Paulo

No dia 21 de fevereiro, João Doria sancionou em São Paulo a lei antipichação, aquela que prevê multa de R$ 10 mil para pichações em monumentos, ou R$ 5 mil para comerciantes que vendam spray a menores de 18 anos.

Já no 4 de março, a iniciativa atingiu o primeiro pichador. Ou melhor: pichadora.

Trata-se de Maira Machado Frota Pinheiro. Ao contrário do que pregava a esquerda, ela não era nenhum excluído tentando usar os muros da cidade para se fazer ouvir. Ela é uma estudante de Direito de 26 anos que disputou uma vaga como vereadora da cidade e chegou a receber 1.294 votos. Por qual partido? Sim, pelo PT.

A notícia deixa cada vez mais evidente que toda a gritaria na defesa de pichações tinha, por trás, um viés partidário. De uma partido que fez por merecer a derrota que sofreu.

De acordo com pesquisa, 71% dos brasileiros são contra a legalização da maconha

05.06.2013 - O advogado Luís Roberto Barroso defendeu hoje (5), durante sabatina no Senado, a proatividade do Judiciário na definição de regras quando houver omissão do Legislativo e do Executivo. A sabatina é etapa necessária à aprovação do nome dele para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele foi indicado no dia 23 de maio pela presidente Dilma Rousseff. Foto: Antonio Cruz/ABr.

Recentemente, o noticiário espalhou que Luís Barroso, ministro do STF, defendeu a legalização da maconha e da cocaína como forma de enfraquecer o tráfico de drogas. Ficou no ar, inclusive, a sensação de que tal iniciativa partiria da Suprema Corte, uma vez que não se cansam de legislar por lá – um poder que, bem, só deveria caber ao legislativo.

O Paraná Pesquisas foi atrás da opinião do brasileiro. E fica claro o motivo de tal iniciativa não ser tocada num Congresso eleito pelo povo. Pois 70,9% dos entrevistados se disseram contra a legalização da maconha. E outros 84,3% disseram o mesmo para cocaína.

Se a esquerda quiser mesmo levar essa ideia adiante, que tenham a decência de discutir isso com a população, e não apenas com um punhado de juízes eleitos pelos interesses menos conhecidos.

Até o apoio do esquerdista PDT teria sido comprado pelo PT com R$ 4 milhões da Odebrecht

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr - Agência Brasil

Marcelo Odebrecht não foi o único ex-membro da empreiteira a prestar depoimento ao TSE. Fernando Reis também contou o que sabe. E o que ele sabe é gravíssimo.

Segundo o ex-diretor, o PDT vendeu o apoio à reeleição de Dilma Rousseff por R$ 4 milhões bancados pela Odebrecht. O próprio Reis teria feita a entrega da quantia à tesouraria do partido.

Por si só, a prática justificaria a cassação da chapa que conquistou um segundo mandato para Dilma. E isso deve estar tirando o sono de Michel Temer, pois seu governo seria diretamente atingido.

Marcelo Odebrecht disse que usava a Itaipava como laranja para camuflar doações a partidos

Como a Odebrecht conseguia dar tanta grana a políticos brasileiros sem levantar suspeitas? Em depoimento ao TSE, Marcelo Odebrecht deu um pista: usando laranjas. No caso citado, a Itaipava, marca de cervejas, doava aos candidatos e depois era reembolsada pela empreiteira.

O Estadão já havia noticiado há quase um ano uma planilha que deixava no ar a hipótese. De acordo com o levantamento do jornal, ao menos 13 partidos receberam por volta de R$ 30 milhões com a manobra. Entre eles, os três maiores: PT, PMDB e PSDB.

Os citados alegaram que todos os valores recebidos era doações legais, mas os valores da planilha apreendida superavam as quantias declaradas, o que deixava a suspeita de terem chegado via caixa dois.

Marcelo Odebretch admitiu ter disponibilizado R$ 300 milhões ao PT nos governos Lula e Dilma

Que havia uma relação questionável entre a Odebrecht e o PT, já não há dúvidas desde que a Lava Jato se revelou ao mundo. Mas só aos poucos é possível entender quão “questionável” era tal relação. Em depoimento ao TSE, Marcelo Odebrecht admitiu ter disponibilizado R$ 300 milhões ao Partidos dos Trabalhadores entre 2008 e 2014.

Ou seja… Pega justamente os períodos em que a sigla trabalhava para eleger e reeleger Dilma Rousseff, inclusive no período em que era a candidata à sucessão de Lula.

Metade desse volume foi usado apenas na campanha de 2014, justo a campanha que pode findar na cassação da chapa Dilma/Temer.

Os repasses eram negociados com os ministros da Fazenda do PT. Num primeiro momento, com Antonio Palocci. Na sequência, com Guido Mantega.