Greve dos Correios “dá argumentos” para a privatização, diz presidente da estatal

Diante da decisão dos funcionários dos Correios, de entrar em greve por tempo indeterminado, o presidente da empresa, Guilherme Campos, argumentou que isso ajudaria nos argumentos em favor da privatização da estatal.

Seguem declarações:

“…dá argumentos para a parte que defende a privatização (…) A greve reduz o nível do serviço entregue, dá argumentos nesse sentido (…) É muito difícil privatizar, mas se a empresa não se mostrar viável, qual outro caminho nós vamos ter?”

Eis um irônico lado bom da greve. No mais, a argumentação está correta. E, de fato, é inadmissível que o serviço postal seja monopólio do estado.

Gilberto Kassab disse que, se os Correios não fizerem cortes de gastos, serão privatizados

Gilberto Kassab comanda o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações. Isso o permite falar em nome até mesmo dos Correios, estatal extremamente explorada durante a gestão Dilma, e hoje refém de um rombo bilionário. Cortes já foram feitos, agências estão sendo fechadas, mas o ministro explicou que medidas mais radicais precisam ser tomadas. Ou…

Ou a estatal fatalmente será privatizada. Confiram o que foi publicado na IstoÉ:

“Não há saída; é preciso fazer corte de gasto radical. O governo não tem recursos e não haverá injeção de recursos nos Correios. Todo o esforço deve ser feito para evitar a privatização dos Correios ou de partes dele. Eu reconheço os cortes de despesas que já foram feitos, mas é preciso cortar mais. Caso contrário, a empresa vai rumar para a privatização.”

O Implicante, que adora conta pública em dia, torce para que o dinheiro público seja melhor aplicado. Se de fato isso implicar em privatização dos Correios, que seja. Será menos uma estatal para a classe política brasileira destruir.

Herança maldita: arruinado durante gestão Dilma, Correios precisarão fechar 250 agências

Em 2016, os Correios fecharam o ano com prejuízo de R$ 2 bilhões. Para tentar salvar a estatal, a empresa já iniciou um Programa de Demissão Voluntária com o objetivo de diminuir em 5 mil pessoas a quantidade de funcionários, dos quais 3 mil já toparam. Mas não é só.

O plano inclui agora o fechamento de 250 agências em todas as regiões do Brasil, desde que o município tenha mais de 50 mil habitantes.

Uma breve busca nos arquivos do Implicante lembrará ao leitor como a empresa foi explorada na gestão Dilma até mesmo para práticas bem semelhantes às de crimes eleitorais. O aparelhamento era evidente. E a ruína financeira, uma aposta de baixo risco.

Com o PT fora do poder, o problema ficou cada vez mais explícito no noticiário. No noticiário. Pois, na prestação de serviços, o cidadão brasileiro já o percebia há tempos.

O governo Dilma tomou dos Correios volume de dinheiro 459% maior que os antecessores

Entre 2000 e 2010, os Correios repassaram ao governo federal um total de R$ 1,9 bilhão, ou algo como R$ 173 milhões por ano. Nos três primeiros anos do governo Dilma, os repasses somaram R$ 2,9 bilhões, uma média de R$ 967 milhões por ano.

Em outras palavras, o governo Dilma ampliou em 459% o volume de dinheiro que retirava da estatal. Esse seria um dos motivos para explicar o prejuízo de R$ 2,1 bilhões enfrentado pela empresa em 2015.

Dilma caiu tarde até mais.

Correios patrocinam Olimpíada, mas Sedex ficará suspenso no Rio durante os jogos

Correios - Sedex - Jogos Olimpicos - Olimpiada - Rio 2016

O Brasil não é para amadores, teria dito Tom Jobim. Se a frase é mesmo do maestro que dá nome ao aeroporto internacional do Rio de Janeiro, isso não se sabe ao certo, mas a veracidade da afirmação é mesmo inquestionável.

A situação chegou ao seguinte ponto: os Correios, que são uma empresa pública, patrocinam os Jogos Olímpicos Rio 2016. Ok? Ok. Ao mesmo tempo, eles decidem suspender seu principal serviço, o Sedex, justamente na cidade onde haverá a Olimpíada.

E não será por dois ou três dias, mas sim de 28 de julho a 18 de setembro.

Motivo: o evento dificultará o acesso a determinadas ruas e vias.

É mole?

Leia também: A prefeitura do Rio vai ocultar favelas com painéis gigantes durante os Jogos Olímpicos

Só no primeiros meses do ano, os Correios tiveram prejuízo milionário

O prejuízo na estatal chegou a absurdos R$ 2 bilhões em 2015. Para evitar a repetição do problema, as tarifas foram reajustadas em quase 10% já próximo do natal. Mas a medida não surtiu efeito.

Só nos primeiros quatro meses de 2016, enquanto o Brasil ainda discutia o afastamento de Dilma Rousseff pelo processo de impeachment, os Correios acumularam perdas de R$ 700 milhões. Nesse ritmo, terminaria 2016 com rombo maior que o do ano anterior.

Agora é aguardar se a mudança de governo traz novos ares para a marca. Ou mesmo se a gestão Temer incluirá a estatal no grupo de empresas públicas que serão privatizadas, aliviando, assim, as contas do país.

Propaganda de Dilma entregue pelos Correios foi irregular, diz TCU

O Tribunal de Contas da União (TCU) confirmou em auditoria que os Correios entregaram irregularmente ao menos 4,8 milhões de santinhos da campanha de Dilma Rousseff à reeleição em  2014. Os relatórios da área técnica do tribunal recomendam punição a 8 servidores e dirigentes da estatal envolvidos.

Além do envio sem chancela nenhuma, o que contraria as normas dos Correios, a coligação de Dilma só pagou pela remessa após a revelação do caso pela imprensa. Mesmo assim, ganhou desconto equivalente a quem paga à vista. Por isso, o MP de Contas também denuncia dano ao Erário.

O processo agora seguirá para julgamento no TCU. De acordo com o procurador que solicitou a auditoria, este episódio causou “forte constrangimento a carteiros, que chegaram a ser confundidos com cabos eleitorais” do PT.

a1

Custo Brasil: Trazer um contêiner da China sai mais barato do que um Sedex SP-DF

Parece piada, mas infelizmente é nossa realidade. A Folha de S. Paulo pesquisou preços de envios de mercadorias dentro do Brasil e comparou com o custo para fretar um contêiner inteiro da China para o porto de Santos (SP). O jornal orçou a remessa de documentos e mercadorias dentro do país, via Correios e transportadoras particulares.

Atualmente, o frete de um contêiner de 20 toneladas de Hong Kong para o Brasil (distância de 18 mil km) está custando US$ 75, ou cerca de pouco mais de R$ 300 no câmbio atual. Uma simples caixa de 60 cm³, com aproximadamente 3 kg, custaria R$ 337 para ser mandada por Sedex de São Paulo para Brasília (distância de 1.000 km). Um motoboy cobra R$ 424 para levar um documento de São Paulo a Campinas (distância de 100 km).

0010dc53fa040b05b30f08

Se servir de consolo, no final das contas o importador do contêiner terá de pagar tantos impostos que o valor do frete nem fará diferença.

Rombo de R$ 5 bilhões no fundo dos aposentados dos Correios

Um “fundo de pensão” consiste no montante de dinheiro que será empregado para pagar parte da aposentadoria (geralmente de servidores). Esses fundos são gerenciados por executivos no geral nomeados pelo governo ou sindicatos.

No “Postalis”, que serviria para auxiliar os funcionários dos Correios, o rombo foi de R$ 5 bilhões. Esse é o nível da crueldade da corrupção: invade-se até mesmo a grana que seria para a aposentadoria dos trabalhadores das estatais. O valor é apontado em relatório da Polícia Federal, que investiga o caso por meio da Operação Positus.

Correios - Postalis

Quem paga pela corrupção é sempre o povo, e nesse caso ainda de forma mais direta, atingindo em cheio a aposentadoria de servidores honestos. Vergonhoso.

Correios tem primeiro prejuízo em 20 anos e tarifas vão aumentar

O governo Dilma é mesmo dado a façanhas e quebra de recordes. O absurdo da vez é o aumento das tarifas postais para cobrir o prejuízo dos Correios. Isso porque a empresa é estatal e monopolista, ou seja, não concorre com mais ninguém e ainda assim consegue ficar QUASE UM BILHÃO NO VERMELHO – algo que não acontecia há 20 anos.

Enfim, e como sempre, nós pagaremos a conta. O aumento será de certa de 10% sobre as tarifas de serviços postais e telegráficos, nacionais e internacionais. Ou seja: ficará ainda mais caro para o consumidor o frete de produtos (as empresas brasileiras, em sua maioria, utilizam os serviços dos Correios).

Dilma Rousseff - Correios

O governo Dilma já tem de fato o “selo” de mais incompetente de todos os tempos.