A ditadura cubana lucrou ao menos R$ 3,27 bilhões com o Mais Médicos

04/10/2015- A menos de um ano do fim do prazo de participação dos primeiros profissionais do Mais Médicos, o governo já estuda como fazer a substituição de até 30% dos integrantes do programa, que é uma das principais bandeiras da gestão Dilma Rousseff.

Em primeira mão, O Antagonista teve acesso à planilha entregue pelo Ministério da Saúde ao TCU. Nela, os números do que o governo brasileiro gastou no Mais Médicos com a Organização Panamericana de Saúde – a OPAS é a entidade que repassa os valores para a ditadura cubana.

Só nestes primeiros quatro anos, o Brasil destinou R$ 5,74 bilhões à organização. Praticamente um quarto deste valor (R$ 1,38 bilhões) ficou com a organização, sobrando R$ 4,36 bilhões para o salário dos médicos. Contudo, estes também só embolsam um quarto da fatia, algo em torno de R$ 1,09 bilhão, restando R$ 3,27 bilhões para o governo de Cuba.

Para efeito de comparação, o Porto de Mariel saiu do chão com R$ 2,4 bilhões emprestados pelo BNDES. Como bem apontou o Antagonista, a cifra também supera os gastos brasileiros com o aeroporto de Havana – por volta de R$ 525 milhões.

Somados os “investimentos” do BNDES com o Mais Médicos, Cuba já recebeu aos menos R$ 6,25 bilhões dos cofres públicos nacionais. Ao acrescentar salários e comissão da OPAS, a cifra se aproxima dos R$ 9 bilhões. Tudo isso durante a maior recessão da história do Brasil.

Lava Jato: Lula levou pessoalmente a ditador de Cuba proposta da Odebrecht , diz delator

Lula teve mais uma citação direta e pessoal por parte dos executivos da Odebretch, desta vez no depoimento de João Carlos Mariz Nogueira.

No ano de 2014, em Cuba, o delator afirma ter presenciado conversa entre o ex-presidente e o então representante do Itamaraty, Marcelo Câmara, na qual o petista disse ter levado uma proposta da Odebrecht ao conhecimento do ditador da ilha, Raúl Castro.

A proposta seria para ajudar na viabilidade de uma linha de crédito, para construção de um anexo ao Porto de Mariel, obra também realizada pela construtora, com financiamento do BNDES.

Lula estava em Cuba para fazer palestras pagas pela Odebrecht.

México: reclama do muro de Donald Trump, mas deportou quase 50 refugiados cubanos

O México não quis conversa: encontrou 49 cubanos em situação irregular dentro de suas fronteiras, jogou-os dentro de um avião e mandou-os de volta a Cuba. A situação já seria por demais irônica, uma vez que o governo mexicano reclama da política migratória de Donald Trump, que pretende fazer o mesmo com os 11 milhões de imigrantes ilegais que consomem recursos públicos nos Estados Unidos (estima-se que a metade deles seja de mexicanos). Mas a situação é ainda mais complicada na América Central.

Porque Cuba ainda é uma ditadura. Deportar cubanos à ilha socialista é devolver refugiados a uma tirania da qual fugiam. Lá, serão perseguidos políticos. E não será possível confiar nas informações a respeito da situação deles, uma vez que a imprensa é censurada.

Enfim… Ainda que em menor número, o gesto mexicano é muito mais repugnante. Mas a imprensa não desenhará bigodes de Hitler na face do presidente do México.

Recorde de cinismo: ditador que aprisiona o próprio povo em Cuba reclama de muro de Trump

Raúl Castro veio a público criticar as políticas comerciais e imigratórias de Donald Trump. Mas o Implicante vai refazer a frase em outros termos: o ditador da família cubana que há mais de meio século escraviza o próprio povo em uma ilha foi à imprensa reclamar que Donald Trump quer impedir a entrada de imigrantes ilegais nos Estados Unidos.

Ele disse:

“A nova agenda do governo dos EUA ameaça desencadear uma política comercial extrema e egoísta que vai afetar a competitividade do nosso comércio exterior, violar acordos ambientais e caçar e deportar imigrantes. Você não pode conter a pobreza, as catástrofes e os imigrantes com muros, mas sim com cooperação, compreensão e paz.”

Sim, é preciso ter um nível de cinismo fora do comum para, neste contexto, vir a público se pronunciar nestes termos. Algo parecido é preciso se falar sobre a imprensa, que noticia a fala acima sem em qualquer momento citar a palavra “ditadura”.

Não à toa, pessoas como Donald Trump chegam ao poder.

Expectativa vs Realidade: com baixa procura, empresas aéreas reduzem voos dos EUA para Cuba

Até 2015, e assim foi por mais de cinquenta anos, simplesmente não havia voos dos EUA para Cuba. Desse modo, quando da liberação, esperava-se um fluxo grande de passageiros. Mas não foi o que aconteceu.

A empresa JetBlue, por exemplo, passou a usar aeronaves menores. A American Airlines, por sua vez, reduziu de dois para apenas um voo diário. E a Silver Airways também informou que reduzirá a coisa.

Tudo porque a expectativa foi maior do que a realidade. Embora “liberados”, tais voos ainda têm certas restrições e é preciso que o viajante se enquadre numa das 12 razões estabelecidas pelo governo dos EUA (acredite se quiser, o turismo não é uma delas).

Diante disso, fica mais fácil procurar outros destinos com menos burocracia. E o resultado se vê nos números: foram 137 mil “turistas” norte-americanos nos primeiros seis meses depois da liberação, e apenas 76 mil no mesmo período agora neste ano.

Em contrapartida, parece que a intenção de muitos cubanos de partir para os EUA continua com tendência alta – talvez menos, depois que Obama acabou com a política “pés secos, pés molhados”, que garantia aos fugitivos de Cuba a cidadania americana.

Treze refugiados foram deportados dos Estados Unidos, mas não houve histeria (eram cubanos)

Um total de 13 refugiados tentando fugir de uma ditadura chegaram aos Estados Unidos, mas foram barrados e mandados de volta ao país de origem. Foi na última sexta-feira. Contudo, você não viu nenhuma histeria da imprensa, ou dos artistas de Hollywood contra a deportação. Como isso foi possível em plena era Trump?

Bom. Há dois motivos. O primeiro: os deportados eram cubanos enviados de volta à ditadura comunista, ainda venerada pelo esquerdismo que domina o jornalismo e a classe artística. O segundo, e talvez principal: a deportação só foi possível graças a revogação de lei feita por Barack Obama em seus últimos dias à frente da Presidência dos Estados Unidos.

Sim, a hipocrisia atinge esse nível.

No Brasil, médicos cubanos recebem salário cem vezes maior do que o pago a um médico em Cuba

O vídeo abaixo foi publicado nas redes sociais por Eduardo Bolsonaro. Registra uma conversa entre o deputado federal e um cubano que trabalha como garçom nos Estados Unidos. O entrevistado confirma o salário que o irmão, ainda residente em Cuba, recebe como médico: 32 dólares. Na cotação atual, dá algo próximo dos cem reais.

No Mais Médicos, o governo brasileiro paga R$ 10 mil por profissional contratado, e isso inclui os cubanos negociados ainda pelo governo Dilma. Trata-se de num valor cem vezes maior. Mas, mesmo com a gorda comissão retida pela ditadura castrista, restam aos cubanos um salário 40 vezes maior do que o que receberiam se continuassem atuando em Cuba.

Whindersson Nunes: Youtuber conta que em Cuba não é permitido nem o Snapchat

O youtuber Whindersson Nunes é um dos maiores sucessos da internet atual. E, quando se fala nisso, é bom ter em vista os números: a nova geração atinge jovens na proporção em que, anos atrás, os rockstars o faziam. São verdadeiras celebridades, com altíssimo grau de influência.

Nesse sentido, consideramos MUITO POSITIVA a mensagem de Whindersson sobre Cuba. E ele não fez isso por pirraça ou maldade, mas por genuína constatação. Aí vai:

É isso mesmo. O país tem praias bonitas e um povo interessantíssimo. Mas, infelizmente, vive sob uma ditadura. E é importante que as novas gerações saibam disso. Muito bom que conheçam a verdade sobre o socialismo que muitos professores e afins dirão ser o máximo.

Não é, não. É um sistema opressor. E, se não pode nem uma rede social, imagine coisas ainda mais “perigosas”, como montar um partido político com outras ideias.

E o episódio serve para derrubar de vez a ladainha esquerdista, segundo a qual era um exagero a censura à internet na referida ditadura. Pelo visto, não há exagero algum.

Lula, sobre o ditador Fidel Castro: “o maior homem do Século XX”

Já seria suficientemente absurda a ida de Lula e Dilma Rousseff a Cuba, para prestar homenagens ao falecido ditador genocida Fidel Castro. Mas a coisa é ainda pior. O país em pandarecos, por conta da destruição da economia provocada pelos anos de negligência administrativa, e até mesmo o detalhe de uma tragédia que abalou o país, e nada disso os demoveu de visitar a ditadura socialista cubana.

Ok.

Mas aí Lula resolve passar da conta. Ele disse textualmente o seguinte sobre Fidel Castro:

“Fazia mais de 30 anos que éramos amigos, desde antes de eu ser presidente (…) Fazia muitos meses que eu queria vir a Cuba e ver Fidel, mas não foi possível. Quando soube da notícia, a maneira que encontrei de expressar meus pêsames foi escrever na parede ‘Viva Fidel’ (…) Estou triste, porque se foi o maior homem homem do século XX” (grifamos)

Sim, ele se refere ao ditador de um regime sob o qual estima-se terem sido assassinadas cerca de 100 mil pessoas.

O mais inacreditável é que nossa grande mídia não vê problema nesse tipo de coisa, tamanha a contaminação socialista.

Lula postou isso e MUITA gente deu sugestão quase idêntica à dupla; vejam qual foi

A bisonha ida de Lula e Dilma Rousseff para Cuba, para prestar homenagem ao ditador Fidel Castro, continua dando o que falar. Já comentamos aqui, por exemplo, a fala de Lula sobre o autoritário líder do regime cubano ter sido “o maior homem do século XX” (sim, ele disse isso).

Mas não para por aí. Bem antes, ele havia divulgado um post para enaltecer Fidel e aí a rapaziada não reagiu bem. Muitos rebateram de forma PESADÍSSIMA, e nem teríamos como colar os links aqui (de verdade). Porém, diversas pessoas responderam de maneira parecida, dando uma mesma sugestão.

Primeiro, o post de Lula:

Agora, a coincidência:

https://twitter.com/AlexMamed/status/805093416975605760

https://twitter.com/belpb__/status/804413524604809216

Parece até que combinaram. No mais, seguimos defendendo o debate nas redes, ainda que com contundência, mas sem ataques pesados.