A imprensa tentou atacar Trump, mas apenas descobriu que ele pagou mais imposto do que Obama

No início da semana, Rachel Maddow anunciou no Twitter que tinha conseguido informações sobre os impostos pagos por Donald Trump. Com isso, a internet preparou-se para mais um duro golpe na reputação do presidente dos Estados Unidos, vítima de especulações do NY Times, que noticiara a suspeita de que o republicano não recolhia impostos há 18 anos.

E o que a âncora da MSNBC conseguiu? Apenas mostrar que Trump arrecadava mais impostos (25%) do que Barack Obama (19%), ou mesmo que a empresa que a contratou (24%). Assim, quase instantaneamente, virou piada nas redes sociais.

O vídeo mais acima, legendado pela Embaixada da Resistência, detalha melhor o ocorrido.

México: reclama do muro de Donald Trump, mas deportou quase 50 refugiados cubanos

O México não quis conversa: encontrou 49 cubanos em situação irregular dentro de suas fronteiras, jogou-os dentro de um avião e mandou-os de volta a Cuba. A situação já seria por demais irônica, uma vez que o governo mexicano reclama da política migratória de Donald Trump, que pretende fazer o mesmo com os 11 milhões de imigrantes ilegais que consomem recursos públicos nos Estados Unidos (estima-se que a metade deles seja de mexicanos). Mas a situação é ainda mais complicada na América Central.

Porque Cuba ainda é uma ditadura. Deportar cubanos à ilha socialista é devolver refugiados a uma tirania da qual fugiam. Lá, serão perseguidos políticos. E não será possível confiar nas informações a respeito da situação deles, uma vez que a imprensa é censurada.

Enfim… Ainda que em menor número, o gesto mexicano é muito mais repugnante. Mas a imprensa não desenhará bigodes de Hitler na face do presidente do México.

Após primeiro mês da gestão Trump, imigração ILEGAL caiu 40% na fronteira com o México

Em fevereiro de 2016, o assustador número de 31.578 imigrantes – mexicanos ou não – tentaram ilegalmente entrar nos Estados Unidos, mas foram barrados na fronteira sul do país. Um ano depois, já sob os cuidado da administração de Donald Trump, esse número foi de “apenas” 18.762 pessoas, uma queda de 36%. Se comparado com janeiro de 2017, a queda foi ainda maior: 39%. E olha que, com o fim do inverno, o fluxo migratório em fevereiro costuma ser maior.

É o melhor índice em pelo menos cinco anos. E, sim, já é fruto da nova política imigratória, que só quer aceitar em território americano aqueles que estejam em acordo com a lei – o que deveria ser o básico, né?

Como diziam Bill Clinton e Barack Obama, e a imprensa fez questão de esquecer, os Estados Unidos são uma nação de imigrantes, mas de imigrante LEGAIS. Estes serão sempre bem-vindos.

Android, iPhone, Telegram, tudo: segundo Wikileaks, a CIA te espiona até com a TV desligada

O WikiLeaks liberou 8,761 documentos que provariam que a CIA é hoje a maior agência hacker do mundo. E os relatos realmente são assustadores. A tática da Agência de Inteligência Americana seria a de invadir a intimidade dos cidadãos pelos mais variados meios possíveis.

De acordo com o relatório, nada está seguro. Telefone Androids, Windows e iPhones são hackeados na mesma medida que tablets, computadores e basicamente qualquer tecnologia de qualquer sistema. Nem Whatsapp ou Telegram escapam. Quando não conseguem invadir o software, invadem o aparelho, ou mesmo o roteador.

O release destaca a espionagem feita via SmarTVs Samsung. Numa ação coordenada com o Reino Unido, a invasão finge desligar a TV, que segue registrando todos os áudios do ambiente enquanto o espionado acredita estar com o aparelho desligado. Até mesmo o sistema de navegação dos carros mais modernos estariam sendo hackeados pelos espiões.

Todo o material colhido diz respeito ao período que vai de 2013 a 2016. Ou seja… O segundo mandato de Barack Obama.

Mas você não verá nenhum jornal ou revista colocando bigodinhos de Hitler no ex-presidente democrata.

Se os países europeus fossem estados americanos, seriam os mais pobres dos Estados Unidos

A esquerda americana está com um discurso bobo e burro, para usar termos que não choquem nas primeiras horas da manhã. Qual? O de que os Estados Unidos devem se inspirar na política da social democracia europeia. Em artigo sobre o tema, o Foundation for Economic Education mostrou como não faz sentido levar essa ideia adiante. Por um motivo simples: mesmo os países mais ricos da Europa são mais pobres que dois terços dos estados americanos.

Para entender o raciocínio, usa-se o PIB per capita, aquele que divide as riquezas de um país por sua população. Mesmo a Alemanha, dona dos melhores resultados europeus, possui um PIB per capita menor que o do Missouri, o 38º de 50 estados americanos. O Reino Unido seria 47º estado. E nações como Itália e Espanha ficariam abaixo do Mississippi, proporcionalmente, o mais pobre dos Estados Unidos.

Com se vê na tabela acima, nem o Japão, lá no pacífico, ficaria bem na fita, com uma 49ª posição.

Sim, o modelo a ser seguido é o da liberdade americana, e não o da democracia-social europeia.

 

Mais uma rede social estaria censurando conteúdo conservador: o Reddit

Não é tão fácil para o brasileiro entender a gravidade do assunto porque se trata de uma rede pouco popular no país. O Reddit permite que usuários publiquem conteúdo para a avaliação dos demais integrantes da comunidade. Caso o material receba avaliações positivas, sobe no ranking, do contrário, desce.

Em outras palavras, os próprios usuários funcionam como curadores do que seria o material de melhor qualidade. E o segredo da ferramenta estava nessa dinâmica.

Mas, desde a eleição de Donald Trump, o mecanismo parece estar sendo deturpado. E grande parte do material de apoio ao presidente estaria sendo boicotado. Ao menos é isso o que denuncia o Infowars, que já observou manobra semelhante no Facebook e Twitter.

A liberdade de expressão está em crise no mundo todo. E é triste notar que isso só é possível graças à cegueira de empresas de tecnologia, justo as que cresceram explorando a liberdade de expressão.

Treze refugiados foram deportados dos Estados Unidos, mas não houve histeria (eram cubanos)

Um total de 13 refugiados tentando fugir de uma ditadura chegaram aos Estados Unidos, mas foram barrados e mandados de volta ao país de origem. Foi na última sexta-feira. Contudo, você não viu nenhuma histeria da imprensa, ou dos artistas de Hollywood contra a deportação. Como isso foi possível em plena era Trump?

Bom. Há dois motivos. O primeiro: os deportados eram cubanos enviados de volta à ditadura comunista, ainda venerada pelo esquerdismo que domina o jornalismo e a classe artística. O segundo, e talvez principal: a deportação só foi possível graças a revogação de lei feita por Barack Obama em seus últimos dias à frente da Presidência dos Estados Unidos.

Sim, a hipocrisia atinge esse nível.

Donald Trump disse que não mais chama a CNN de “fake news”, mas de “very fake news”

A imprensa americana inventou a falácia das “fake news”, aquela que, sem nenhum estudo que corroborasse a tese, decidiu que Donald Trump foi eleito graças a notícias falsas. Queria com isso censurar sites alternativos que apresentam uma visão de mundo destoante do esquerdismo jornalístico. Na primeira oportunidade, contudo, o feitiço virou-se contra o feiticeiro. E Donald Trump chamou a CNN, uma das maiores redes a vender a tal narrativa, de “fake news”.

Na coletiva deste 16 de fevereiro, emissora e presidente americano novamente se encontraram. E a CNN novamente veio com a falácia sobre “fake news”. Mas Trump prometeu não mais chamar a CNN de assim. Quando o gesto parecia estar sendo aceito pelo jornalista, ele completou com o termo que passaria a usar: “very fake news”.

https://twitter.com/mafiasumers/status/832332605488058368

Claro, era uma piada. E das boas. Tanto que o repórter da CNN entregou-se aos risos, assim como os correspondentes dos demais veículos de comunicação.

Mas é bom a CNN se acostumar. Nada indica que o novo apelido não irá pegar.

Apesar do terrorismo da imprensa, era Trump começou com aumento de emprego além do esperado

A imprensa está histérica, e não é de hoje que o Implicante aponta o problema. O motivo é bem claro: o aparelhamento esquerdista das redações está desesperado com tantas vitórias conservadoras nos últimos ano. E a de Donald Trump foi a maior delas.

Contudo, tanta histeria pode resultar apenas em gritaria. Economistas previam para janeiro a criação de 175 mil postos de trabalho. Os pessimistas, contudo, imaginavam que a posse do republicano assustaria investidores, o que seria péssimo para os Estados Unidos. Mas Obama se foi e surgiram 227 mil novas vagas, superando as expectativas em 30%.

Os bons números vieram justamente do setor de origem de Trump: empresas de construção e varejistas.

O Implicante torce muito para que notícias do tipo sejam uma constante nos próximos anos.

Como os Estados Unidos ficaram tão ricos? Evitando que o governo atrapalhasse a sociedade

O Vozes da Direita é mais um projeto que, no YouTube, está traduzindo material conservador para português. Desde já, o Implicante te convida a inscrever-se no canal clicando aqui.

O vídeo acima é apresentado por Bertan Folsom, professor de história na Universidade de Hillsdale. Nele, com um breve apanhado histórico, é apresentado como os Estados Unidos migraram de colônia europeia a nação mais poderosa do planeta em “apenas” alguns séculos.

O vídeo vale os 6 minutos de duração. Mas basicamente pode ser resumido a um respeito do Estado para com a iniciativa privada. Em vez de o governo viver priorizando os lobistas e suas pressões políticas, abriam espaço para que a livre iniciativa fizesse sua parte.

Sim, é preciso trazer essa mentalidade ao Brasil. Ainda que com séculos de atraso.