Papa: quer distância da politicagem do Brasil, mas recebeu o ditador Maduro no Vaticano

O Brasil comemorará agora em 2017 os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira da nação. Como maior país católico, seria mais do que natural a presença do Papa em data tão importante. Mas ele cancelou a vinda. E a desculpa dada é bem ruim de engolir.

Segundo publicou Gerson Camarotti, o Papa Francisco evita “viagens a países que enfrentam um momento político mais delicado para não ser usado por nenhuma das partes envolvidas no debate“. Mas ele não nega visitas a Cuba, nações bolivarianas, ou mesmo receber no Vaticano um ditador como Nicolás Maduro. Isso em 2016, com a Venezuela ruindo de fome por mais um experimento desastroso do socialismo.

Ou Jorge Mario Bergoglio não seria contra que Maduro usasse as palavras do líder católico em benefício próprio?

Papa Francisco: diz que Donald Trump não é cristão, diz que comunistas pensam como cristãos

Escolhido Papa quando Cristina Kirchner ainda fazia da Argentina uma nação bolivariana, Jorge Bergoglio sempre levantou questões a respeito de suas afinidades com os ideais comunistas. Uma breve olhada na sua agenda nestes três anos levavam a crer que, sim, ele tinha algum norte socialista e levou isso ao Vaticano. Agora, o Papa Francisco achou por bem não deixar mais dúvidas a respeito.

Ao responder se gostaria de uma sociedade de inspiração marxista, respondeu com estas palavras:

São os comunistas os que pensam como os cristãos. Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os frágeis e os excluídos sejam os que decidam. Não os demagogos, mas o povo, os pobres, os que têm fé em Deus ou não, mas são eles a quem temos que ajudar a obter a igualdade e a liberdade.”

É curioso esse tipo de posicionamento quando críticas semelhantes são desferidas contra o presidente eleito dos Estados Unidos. O Papa não quis se pronunciar sobre a eleição dele, mas, em fevereiro, disse que Donald Trump não era cristão:

“Uma pessoa que pensa apenas em construir muros, onde quer que seja, e não em construir pontes, não é um cristão.”

A resposta de Trump foi bem ao estilo dele:

Se e quando o Vaticano for atacado pelo Estado Islâmico, o que todo mundo sabe que seria o seu troféu final, prometo a vocês que o Papa desejaria e rezaria para que Donald Trump fosse presidente, porque isso não aconteceria. O Estado Islâmico seria erradicado ao contrário do que está acontecendo agora com nossa conversa, nenhuma ação política”

Será que o Papa Francisco rezou muito por isso?