Pesquisa Ipsos demonstrou o óbvio: quem for contra a Lava Jato terá dificuldades em 2018

09/09/2015- Brasília- DF, Brasil- O juiz federal Sérgio Moro durante audiência pública na CCJ do Senado.

Não se trata apenas de “mau negócio” adotar o discurso anti-Lava Jato. Politicamente, seria o mesmo que um suicídio. É o que indicam os números do “Pulso Brasil”, levantamento nacional do instituto Ipsos. No levantamento de julho de 2017, nada menos do que 96% dos entrevistados responderam favoravelmente quanto à continuidade da operação.

Quem teria coragem de adotar discurso contra a opinião da quase totalidade da população? Apenas os que serão prejudicados pela operação e veem como única alternativa desacreditá-la alimentando narrativas contrárias.

Na mesma pesquisa, para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à corrupção combatida pela Lava Jato – uma alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Análise: entenda por que a nova pesquisa nacional deixa o PT em mais uma sinuca de bico

Como falamos mais cedo, o Ipsos divulgou hoje o “Pulso Brasil”, levantamento periódico, de abrangência nacional, com diversas questões sobre governo, política etc. E, para os petistas, um dado é “precioso”: Michel Temer é rejeitado por mais de 90% das pessoas.

Porém, fica difícil divulgarem essa pesquisa, a menos que escondam os outros dados.

Isso porque o mesmo levantamento aponta que, entre os presidenciáveis, Lula é o mais rejeitado, com 68%, e, para 67% da população, o PT é o partido mais enrolado na Lava Jato – operação esta que, por fim, é apoiada também por mais de 90% das pessoas.

E agora? A pesquisa vale ou não vale? Pois é.

Lula é rejeitado por 68% dos brasileiros, diz nova pesquisa nacional do Ipsos

Embora apareça como “líder” em algumas pesquisas – mesmo com o piso histórico dos 30% -, ao que tudo indica Lula terá muito trabalho para convencer o outro percentual da população. Isso porque, segundo informa o novo “Pulso Brasil”, do Ipsos, a rejeição ao petista vai a 68%. Ele fica atrás de Michel Temer (93%) e Dilma Rousseff (82%), mas o problema é que estes dois não serão candidatos à Presidência em 2018.

Para piorar um pouco mais as coisas, 67% dos entrevistados responderam que o PT seria o partido mais associado à Lava Jato. E mais: 96% querem que a operação continue. O levantamento foi realizado entre os dias 1 e 13 de junho, por meio de 1,2 mil entrevistas pessoais e domiciliares, em 72 municípios do país.

Para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à Lava Jato – alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Pesquisa Ipsos: aprovação a Sergio Moro é de 64% – mesmo índice da rejeição a Lula

Falamos há pouco da pesquisa nacional realizada pelo instituto Ipsos, na qual Lula aparece com rejeição de 64%, nove pontos a mais do que o registrado em março. Com isso, suas chances eleitorais ficam um tanto mais complicadas.

Mas há uma coincidência relevante.

A aprovação de Sergio Moro, como informa O Antagonista, foi de 63% para 64%. Sim, o mesmo índice de rejeição a Lula.

Se tais números são reais, melhor repensar a estratégia de enfrentamento quanto à Lava Jato.

Pesquisa Ipsos: rejeição a Lula dispara de março para abril, chegando a 64%

Em março, o instituto Ipsus realizou sua tradicional pesquisa “Barômetro Político”, de âmbito nacional, e nela a rejeição a Lula foi registrada em 59%. O novo levantamento, feito agora em abril, mostra aumento de nove pontos, chegando a 64%.

O cálculo político mais conservador é o de que, com 40%, um candidato começa a ficar inviável. Com 51%, por questões matematicamente óbvias, ele não entra.

Então, caso seja mesmo correta a rejeição de 64%, Lula se inviabiliza para 2018. Por mais que tenha – e tem – uma base de 25% a 30% de votos, não há como vencer quando 64% vão no sentido contrário.

Pesquisa Ipsos: confirmada a rejeição de quase 60% a Lula, ele se torna inviável para 2018

Há um pouco de técnica e outro tanto de mística na análise dos números de rejeição. Mas é fato que os verdadeiros especialistas muitas vezes o tomam como algo mais importante do que a intenção positiva – afinal, é preciso saber o “teto” eleitoral de alguém.

Nesse sentido, e agora entra a dose de esoterismo, estabeleceu-se o número mágico de 40%. A partir daí, ninguém se elegeria – e, de fato, nunca houve um caso assim. Porém, é óbvio, pesquisas podem estar erradas, os números vez por outra diferem da realidade etc.

Mantidas todas as ressalvas, é ainda assim destruidora para Lula a pesquisa do Ipsos, “Pulso Brasil”. Trata-se, como falamos aqui, de um levantamento nacional completo, envolvendo economia, política e também as taxas de aprovação ao governo, presidenciáveis e personalidades.

Lula teria 59% de rejeição, entre desaprovação total ou parcial. São quase 60%, vinte pontos ACIMA do que consideram o teto da inviabilidade.

Trocando em miúdos: para chegar a 40%, ele precisaria fazer mágica. E ela consistiria em perder UM TERÇO dos que o rejeitam. Uma missão quase impossível, sobretudo considerando que, daqui até 2018, a “agenda de eventos” inclui depoimentos como réu e outros contratempos não propriamente alavancadores de popularidade.

O jeito é apostar contra o governo Temer, mas ainda assim os principais adversários correrão por fora, e ataques ao atual governo não os atingiria.

Considerando TUDO isso, e novamente levando em conta que tais números sejam verdadeiros, Lula está inviabilizado para 2018. Ao menos, para a Presidência da República.

Sergio Moro x Lula: quem é mais popular e quem tem maior rejeição? Confira os dados do Ipsos

O “Pulso Brasil” é um monitoramento da opinião pública sobre política, economia e outras questões. Trata-se de um levantamento realizado pelo Ipsos Public Affairs desde 2005. De todos os vários dados interessantes da pesquisa realizada em maio deste ano, há um comparativo que chama atenção: aprovação/rejeição de Lula e de Sergio Moro.

E é interessante comparar pois, como se sabe, Lula pretende lançar sua candidatura à presidência quando do depoimento à Lava Jato, opondo-se então de forma direta e objetiva à pessoa de Sergio Moro.

Um embate desse tipo, portanto, nada mais é que um enfrentamento de forças de aprovação e rejeição. Desse modo, confiramos os dados de cada um, segundo o “Pulso Brasil”:

Sergo Moro

Lula

Legendas: em azul, aprovação (total ou parcial); em vermelho, rejeição (total ou parcial); e, em cinza, “Não sabe/não conhece”.

Pois é. Talvez Lula devesse repensar a estratégia de entrar num embate com Sergio Moro. Tudo indica que será uma péssima estratégia.