Tomada pelo PCdoB, a Ancine pressionou atores a denunciarem “golpe”

O PT já tinha saído da Presidência da República, mas incontáveis espaços públicos seguiam atuando sob a influência do partido, se não com os soldados, também com as linhas auxiliares. Em meados de 2016, o jornalista Cláudio Humberto confirmou que o PCdoB, a mais antiga linha auxiliar do partido, continuava comandando a Agência Nacional de Cinema. E mais: a ANCINE teria pressionado os artistas brasileiros a protestarem na Europa contra o que a esquerda vinha chamando de golpe – o mesmo processo de impeachment que os esquerdistas pediram contra Fernando Collor de Mello, Itamar Franco e FHC.

O Antagonista completou a informação: Manoel Rangel, do comitê central do PCdoB, presidia a Ancine havia 11 anos. E a comissária Rosana Alcântara era ligada à deputada federal Jandira Feghali, aquela mesma que arrancava risadas na comissão do impeachment quando defendia a honestidade de Dilma Rousseff.

A Ancine custa aos cofres públicos valores que superam o bilhão de reais por ano. O Brasil não deveria reservar qualquer centavo a gastos com cultura antes de resolver seus problemas mais básicos. Ainda mais se o órgão é utilizado para pregar mentiras até mesmo além das fronteiras do país.

Post de Jandira Feghali compara protestos do impeachment à guerra no Iraque por petróleo

Primeiro, vamos ao post (depois, nossos comentos):

Trata-se de uma publicação do perfil OFICIAL da deputada Jandira Feghali (PCdoB/RJ). Pois é.

Claro que fica difícil argumentar de forma séria quando a proposição é colocada dessa maneira. As diferenças óbvias e abissais fazem com oque qualquer argumentação explicativa soe como alguém levando uma “piada nonsense” ao plano da realidade.

Ainda assim, um comentarista de nome Andrew, ali no mesmo post, esclareceu:

“minha querida, sou comunista e americano (existimos, sim :P ) e achei um exagero. Iraque realmente tinha petroleo no meio, mas o Brasil nao. O petroleo de voces eh caro, inaccessivel e a gente ta com petroleo e gas sobrando atualmente. Por mais que eu amo dizer que os imperialistas dos EUA estao no meio de tudo, nao vejo nesse caso. Essa luta no Brasil eh a velha classe elite tentando tomar de volta tudo que “perdeu” com o PT. Nao vejo a mao dos EUA em nada ainda. Os EUA faz muita merda mesmo, mas nao vamos cansar essa velha historia de ‘EUA faz tudo.’ O presidente daqui nem eh tao competente pra fazer isso, vamos pensar”

Fica o registro.

O dia em que Jandira Feghali arrancou risadas chamando Dilma de honesta

Era 30 de março de 2016. A comissão que avaliava o pedido de impeachment de Dilma Rousseff vivia naquela quarta-feira um de seus dias mais produtivos. Os 65 parlamentares ouviram a aula de Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal sobre os crimes cometidos pela presidente do Brasil. O tópico sério deixou o clima tenso, mas Jandira Feghali, ainda que involuntariamente, protagonizou uma breve tragicomédia.

Em dado momento, a deputada federal pelo PCdoB arriscou chamar Dilma de honesta. E instantaneamente arrancou risadas dos demais membros da comissão. Além da TV Câmara, a Globonews transmitiu a piada ao vivo para todo o país:

Protegendo Lula, a esquerda, que sempre exigiu a cabeça de Cunha, lamentou a prisão deste

A esquerda poderia estar comemorando a prisão de Eduardo Cunha, afinal, era o que ela exigia desde que a Lava Jato se aproximou de Brasília. E porque ele tem muito a falar sobre a base que fez dele presidente da Câmara, a mesma base que apoia hoje o governo Temer. Ou seja… A ato de Sérgio Moro poderia estar sendo festejado pelos esquerdistas. Mas eles lamentam. E nem escondem o motivo: medo de o encarceramento do ex-deputado federal referenda algo semelhante com Lula.

Em outras palavras, toda aquela conversa mole de que o petismo apenas queria que justiça fosse feita contra todos era, bem… Conversa mole. Para Lula não ser preso, esquerdistas até lamentam a prisão de Lula.

Porque, como o Implicante não se cansa de alertar: a esquerda não se preocupa com a Justiça ou o bem estar de ninguém. Apenas com poder, poder e poder.

Jandira Feghali: recebeu apoio de Dilma e Lula, xingou a Globo de golpista, desabou para 7º

Tecnicamente, havia seis candidatos empatados na segunda colocação, mas Jandira Feghali, com 9%, havia praticamente dobrado a intenção de votos naquele 21 de setembro. E partia para cima de Marcelo Freixo, que ainda surgia em segundo lugar.

Depois disso, a candidata do PCdoB recebeu os apoios em palanque dos dois ex-presidentes do PT: Lula e Dilma Rousseff. E, em sua participação no debate da Globo, aproveitaria uma manifestação para chamar a emissora de golpista, no que foi devidamente retrucada.

O resultado? Despencou de um potencial segundo turno para terminar na sétima colocação, com apenas 101 mil votos.

“Lacrou”.

Em vídeo, a resposta da Globo à “descompostura” de Jandira Feghali no debate

Jandira Feghali aproveitou a transmissão do debate na Rede Globo para repetir a velha lorota petista de que Dilma Rousseff foi vítima de uma golpe de Estado, uma conversa fiada que só petistas e suas linhas auxiliares – como o PCdoB – compram. Mas fez pior e acusou a emissora de apoiar o processo que democraticamente tirou do poder o partido que arruinou a economia brasileira.

Na sequência, a própria emissora fez uso de uma espécie de direito de resposta. E deixou no ar que Jandira seria uma candidata sem compostura, ainda que sem uma crítica direta a ela.

“Quero lembrar também que não é a TV Globo que está sendo avaliada aqui, são os candidatos, e é você de casa que vai poder ver as propostas, comparar as ideias e ver quem é que tem mais compostura e competência para ser prefeito do Rio de Janeiro.”

Para acompanhar a resposta, basta acionar o player acima.

Propaganda de Jandira Feghali confunde o eleitor distorcendo gráfico de pesquisa

A imagem acima foi ao ar no programa de Jandira Feghali, que tenta se eleger prefeita do Rio de Janeiro, no último dia 24. Na ocasião, de fato ela tinha 9% nas intenções de voto pelo Datafolha, mas em terceiro lugar, logo atrás de Marcelo Freixo, que tinha 10%. Contudo, o que mais chama a atenção é a distorção do gráfico, que mostra a comunista bem perto de Marcelo Crivella, que já tem 31%.

O Implicante arriscou recriar o gráfico com os mesmos dados no GDrive. Como pode se notar abaixo, a oscilação é mínima, dentro da margem de erro de 3%.

Todavia, mesmo o gráfico acima esconde o principal: o empate técnico com seis candidatos na segunda posição, o que coloca o segundo turno como incerto para todos eles.

De acordo com o Globo, “a campanha de Jandira afirmou que a divulgação das pesquisas seguiu a interpretação dos institutos“.

Não. Não seguiu.

Dilma e Lula pedem voto para Jandira Feghali e a candidata cai na pesquisa eleitoral

O DataFolha já fez quatro pesquisas sobre a corrida eleitoral no Rio de Janeiro. Na primeira delas, Jandira Feghali aparecia em quarto lugar. Depois, em terceiro. Na seguinte, realizada em 21 de setembro, caminhava para superar o segundo, ficando apenas 1% atrás de Marcelo Freixo.

Naquela noite, Dilma Rousseff pediria voto para a candidata do PCdoB. Dias depois, seria a vez de Lula acompanhá-la em comício. O que aconteceu com a intenção de votos na comunista?

Feghali perdeu 2% e caiu de potencial segundo lugar para um quarto empatando com o quinto, Flávio Bolsonaro (PSC), em 7%.

É verdade que ambos seguem com chances numéricas de um segundo turno. Mas foi-se o tempo que o apoio do PT garantia vitória mesmo a candidatos nanicos.

Dilma Rousseff ressurge falando bobagem: diz que processo judicial contra Lula é “golpista”

Se você sentia falta de Dilma, eis que ela reapareceu num comício de Jandira Feghali (PCdoB/RJ), que concorre à prefeitura da capital fluminense. Depois dos disparates de Lula, alguns flagrantemente mentirosos, a ex-presidente impichada resolveu dar o ar de sua graça fazendo a segunda coisa que faz de pior: discurso (porque a primeira, claro, é governar).

E então manda essa, aparentemente sem mostrar vergonha ou hesitação:

“Primeiro atacaram a mim, agora estão atacando o Lula e fazem isso de maneira muito golpista (…) Mas nosso povo é capaz de lutar e resistir

Há dois expedientes clássicos de distorção de narrativa. O primeiro é dizer que se trata de “ataque” e ainda por cima “golpista”. Nem uma coisa, nem outra. É uma investigação de anos, repleta de provas, dentro do mais devido processo legal e obedecendo a todas as garantias de ampla defesa (aliás, como seu impeachment). Ninguém está sendo “atacado” e não há “golpe” algum em processar um ex-presidente.

Para além disso, também essa bobajada de tentar passar a ideia de que um processo contra político é contra “o povo”, ainda apelando para que haja luta e resistência (é mole?). Não, Dilma, nada disso. O povo foi VÍTIMA de tudo que se apurou na Lava Jato. Processar os responsáveis é uma ação EM FAVOR do povo, não o contrário.

E todo mundo sabe disso. Até você. O discurso não cola, ninguém mais cai nessas bobagens.

ps: Jandira já jogou a toalha o realmente acha que o “apoio” de Dilma a ajuda na eleição?

Como se ainda vivesse no passado, Jandira Feghali declara ao TSE linha telefônica como bem

Na década de 1980, quando as empresas telefônicas eram completamente controlados pelo governo, o brasileiro penava para conseguir uma linha telefônica. Tanto que, após meses ou anos na fila para ter direito a uma, declarava a conquista como um bem a ser repassado às futuras gerações. Mas, para máxima indignação da esquerda, que sempre foi contrária à diminuição do Estado, as privatizações da década seguinte modernizaram o setor e hoje telefone fixo chega a ser dado de brinde para outros serviços contratados pelo consumidor.

Contudo, Jandira Feghali, candidata à prefeita do Rio de Janeiro, parece viver em outra época. Na lista de bens declarados ao TSE, consta duas linhas telefônicas da Telemar, uma delas cujo valor não passa dos R$ 70,00.

Não há nada de errado em declarar uma linha telefônica. Mas não deixa de ser engraçado, uma vez que Jandira está à frente de um partido que até hoje defende um modelo que há três décadas se provou desastroso.