A ditadura cubana lucrou ao menos R$ 3,27 bilhões com o Mais Médicos

04/10/2015- A menos de um ano do fim do prazo de participação dos primeiros profissionais do Mais Médicos, o governo já estuda como fazer a substituição de até 30% dos integrantes do programa, que é uma das principais bandeiras da gestão Dilma Rousseff.

Em primeira mão, O Antagonista teve acesso à planilha entregue pelo Ministério da Saúde ao TCU. Nela, os números do que o governo brasileiro gastou no Mais Médicos com a Organização Panamericana de Saúde – a OPAS é a entidade que repassa os valores para a ditadura cubana.

Só nestes primeiros quatro anos, o Brasil destinou R$ 5,74 bilhões à organização. Praticamente um quarto deste valor (R$ 1,38 bilhões) ficou com a organização, sobrando R$ 4,36 bilhões para o salário dos médicos. Contudo, estes também só embolsam um quarto da fatia, algo em torno de R$ 1,09 bilhão, restando R$ 3,27 bilhões para o governo de Cuba.

Para efeito de comparação, o Porto de Mariel saiu do chão com R$ 2,4 bilhões emprestados pelo BNDES. Como bem apontou o Antagonista, a cifra também supera os gastos brasileiros com o aeroporto de Havana – por volta de R$ 525 milhões.

Somados os “investimentos” do BNDES com o Mais Médicos, Cuba já recebeu aos menos R$ 6,25 bilhões dos cofres públicos nacionais. Ao acrescentar salários e comissão da OPAS, a cifra se aproxima dos R$ 9 bilhões. Tudo isso durante a maior recessão da história do Brasil.

Um único servidor público usou a lei 13.254 para “repatriar” cerca de R$ 20 milhões

Laundering Dollar Bills 4 dollar bills on the washing line with a green pasture in the background.

Os críticos sempre apontaram: a Lei de Repatriação transformaria a Receita Federal numa máquina de lavar dinheiro sujo. A própria força-tarefa apontou a lei sancionada pelo governo Dilma – e referendada pelo governo Temer – como um dos mais duros golpes sofridos pela Lava Jato. Mas a fiscalização está finalmente acordando para o problema. E promete um “pente-fino” nas contas dos brasileiros que fizeram uso da anistia. Começando pelos servidores públicos.

No caso que chamou atenção, um único funcionário com renda dentro do teto constitucional repatriou cerca de R$ 20 milhões que estavam escondidos num paraíso fiscal. Para atingir volume tão considerável, precisaria poupar todos os salários de cinco décadas de trabalho.

Suspeita-se também do uso de laranjas. O Estadão apontou que até empregado doméstico aderiu ao programa. Há indícios da adesão de 241 declarantes já mortos. E ao menos cinco políticos se aproveitaram da lei, o que é proibido.

Todos os suspeitos serão intimados e precisarão explicar a licitude da verba. Se a grana tiver origem corrupta, os contribuintes serão processados criminalmente e as próprias informações fornecidas servirão como prova.

O Pastor Malafaia foi alvo condução coercitiva, mas a esquerda não reclamou dessa vez

Silas Malafia foi alvo de uma condução coercitiva – quando o investigado é obrigado a prestar um depoimento – para explicar se de fato participava de um esquema que desviava verba de cobranças judiciais de royalties da exploração mineral. O pastor é suspeito de usar contas de algumas de suas instituições religiosas para ajudar na lavagem do dinheiro sujo.

Sim, é grave, ainda que o líder religioso (e político) participe do esquema como coadjuvante. Contudo, uma questão merece destaque: percebe que, além do próprio investigado, praticamente ninguém reclamou do uso de condução coercitiva?

Numa breve busca nas redes sociais, o Implicante encontrou apenas Roberto Requião revoltado com a solução. Motivo? O senador está relatando o projeto contra abuso de autoridade. E precisa aproveitar qualquer oportunidade para vender o próprio peixe.

Os demais políticos esquerdistas seguem bem pouco incomodados com o que aconteceu com o adversário político.

Mesmo possuindo 50% da empresa, filho de Lula chegou a receber 100% dos lucros dela

A operação Lava Jato desconfia que as empresas dos filhos de Lula eram usadas para lavar dinheiro, por vezes, com auxílio de laranjas. A de Fábio Luís Lula da Silva, filho mais velho do ex-presidente, rendeu-lhe entre 2004 e 2014 ganhos brutos na ordem de R$ 5,2 milhões. O laudo dos investigadores aponta que a quantia parece condizente com a evolução patrimonial de Lulinha. Mas algo estranho chamou a atenção: a divisão societária do lucro.

Lulinha só possui 50% da sociedade, mas seus ganhos chegavam a superar com folga a comissão. Em 2012, por exemplo, tudo o que a G4 lucrou foi direcionado para o filho de Lula.

A Lava Jato tenta provar que o sítio em Atibaia foi comprado em uma triangulação com a empresa e os sócios dela no intuito de ocultar o patrimônio.

Da Receita Federal: o Instituto Lula “está longe de se dedicar à defesa de direitos sociais”

01.01.2007 - Marisa Letícia e Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente do Brasil. Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República.

Há a desconfiança de que o Instituto Lula foi criado para que o ex-presidente sonegasse impostos ou mesmo lavasse dinheiro. E a conclusão recente da Receita Federal se soma a ela. Por ser uma entidade filantrópica, deveria ter a atuação limitada aos objetivos sem fins lucrativos, com a contrapartida da isenção tributária.

Conforme relatado em matéria da IstoÉ, a Receita concluiu que a organização vinha sendo usada para despesas pessoais de Lula, da esposa e até mesmo de funcionários da entidade. O documento ainda aponta que o Instituto Lula “está longe de se dedicar à defesa de direitos sociais, é mero escritório de administração de interesses particulares e financeiros do ex-presidente”.

Mas a fiscalização finalmente está fazendo o seu trabalho e suspendeu a isenção tributária do instituto relativa a 2011.

É um começo.

O número segue crescendo: já são 22 mil beneficiários do Bolsa Família doando nessa eleição

Bolsa Família. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

No primeiro levantamento, dez mil usuários do Bolsa Família foram identificados doando R$ 9 milhões aos candidatos desta eleição. No segundo, as doações saltaram para R$ 16 milhões. Agora, somam R$ 22 milhões. Os responsáveis por toda essa fortuna já chegam a 22.367 beneficiários.

Na média, cada um dos doadores teria desembolsado quantia próxima dos mil reais, o que não parece compatível com alguém em situação tal de pobreza que a qualifique no programa.

O TSE, claro, está investigando. E poderá esclarecer se são ricos se passando por pobres, ou pobres manipulados usados por candidatos ricos para lavagem de dinheiro.

Sorte que, com o impeachment de Dilma Rousseff, ambos – Bolsa Família e eleições – estão se permitindo uma fiscalização menos desleixada.

Qual empresa recebeu mais pagamentos do Instituto Lula em 2013 e 2014? A do filho de Lula

Como instituição filantrópica, o Instituto Lula é isento do recolhimento de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica. Mas é livre para contratar os serviços que julgar necessários para essa filantropia. Após a justiça quebrar o sigilo bancário da organização, descobriu-se que a empresa beneficiada com as contratações mais valiosas em 2013 e 2014 foi a G4 Entretenimento e Tecnologia Digital Ltda.

A quem pertence a G4 Entretenimento e Tecnologia Digital Ltda? A dois sócios: Fernando Bittar, o dono legal do sítio em Atibaia que a Lava Jato acredita pertencer a Lula, e Fabio Luis Lula da Silva, filho de Lula.

Em 2013, a G4 recebeu R$ 263,4 mil do Instituto Lula, valor 156% superior ao recebido pela segunda maior agraciada, a Vannuchi E Vannuchi Ltda, destino de R$ 102,8 mil. No ano seguinte, o segundo lugar ficaria com a Rima Soluções Em Comunicação Ltda, contratada por R$ 199,2 mil. Já a G4 de Lulinha receberia valor 432% maior, atingindo R$ 1,06 milhão.

A Lava Jato pode provar que o Instituto Lula vinha sendo usado pela ex-presidente para lavar dinheiro sujo doado por empresas envolvidas no Petrolão.

O PTB lidera lista de recebimento de doações eleitorais de beneficiários do Bolsa Família

Bolsa Família. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O jornalismo mais uma vez quer confundir o eleitor, mais uma vez de forma a beneficiar o PT. Algo muito horroroso está acontecendo: o TSE já descobriu que beneficiários do Bolsa Família teriam doado R$ 16 milhões aos candidatos que disputam vagas para prefeito e vereador agora em 2016. Uma matéria do Estadão afirma que o PMDB lidera lista de recebimento de doações eleitorais de beneficiários do Bolsa Família. Mas confira abaixo os cinco primeiros lugares da lista:

  1. PTB – R$ 1.767.262,33
  2. PMDB – R$ 1.517.122,36
  3. PSD – R$ 1.109.949,30
  4. PSDB – R$ 1.008.855,00
  5. PT – R$ 914.233,14

Por que o Estadão ignorou o PTB em primeiro lugar? Porque achou que faria mais sentido destacar os partidos pelo total de “doações financeiras”, mesmo que os valores envolvidos sejam bem menores. Por essa lógica, os cinco primeiros lugares ficariam assim:

  1. PMDB – R$ 410.741,15
  2. PSD – R$ 326.385,63
  3. PT – R$ 321.340,99
  4. PSDB – R$ 296.124,07
  5. PP – R$ 268.712,64

Todavia, mesmo essa lógica faz pouco sentido. Com 44 mil nomes da disputa, o PMDB tem quase o dobro de candidatos que o PT, mas não recebeu o dobro de doações. Se essa exata lista for ordenada por valores proporcionais, ficaria assim:

  1. PT – R$ 13,24 por candidato
  2. PSD – R$ 11,09 por candidato
  3. PP – R$ 9,59 por candidato
  4. PMDB – R$ 9,24 por candidato
  5. PSDB – R$ 8,28 por candidato

O PT fica em má situação mesmo quando o cálculo proporcional é feito em cima do total de doações noticiados pelo Estadão, mas a lista passa a ser liderada por PTB e PSD:

  1. PTB – R$ 78,09 por candidato
  2. PSD – R$ 37,73 por candidato
  3. PT – R$ 37,67 por candidato
  4. PMDB – R$ 34,11 por candidato
  5. PSDB – R$ 28,22 por candidato

Ou seja… Não é que o PMDB lidera lista de recebimento de doações eleitorais de beneficiários do Bolsa Família. Ele lidera a lista que o Estadão escolheu.

Com ajuda de empresas investigadas no Petrolão, patrimônio de Lula cresceu 360% em 5 anos

Quando deixou a Presidência da República, Lula tinha um patrimônio declarado de R$ 1,9 milhão. Meia década depois, seus bens chegaram a R$ 8,8 milhões. A Folha de S.Paulo tenta amaciar o crescimento de 360% dizendo que a fortuna seria oriunda da L.I.L.S, empresa de palestras concebida pelo petista. Segundo a PF, o CNPJ recebeu R$ 21 milhões no período. Desse montante, R$ 9,9 milhões foram bancados por empreiteiras investigadas no Petrolão.

A Lava Jato trabalha para provar que o ex-presidente praticava tráfico de influência em benefício dessas construtoras que, em contrapartida, eram generosas reformando sítios e/ou apartamentos de Lula. O petista alega que cobrava 200 mil dólares por apresentação do tipo, e, para isso, se inspirava no cachê de Bill Clinton, ex-presidente americano.

Um vídeo que circula há anos no YouTube mostra uma dessas palestras de Lula. E deixa a sensação de que a apresentação em si não justifica o valor investido:

Para conferir com seus próprios olhos, basta acionar o player acima.

“Comandante Máximo da Propinocracia”: a imagem que vale por todas as palavras

Como todos sabem, Lula foi denunciado pelo MPF na Operação Lava Jato. As acusações: corrupção e lavagem de dinheiro. Além dele, também sua mulher, Marisa Letícia, o presidente de seu instituto, Paulo Okamotto, e também empresários e que tais.

Em seguida, o MPF começou a explicar a denúncia. Lula foi chamado de “Comandante Máximo” da “Propinocracia” e então surgiu um fluxograma revelador:

3fe7648e-7966-4860-b9c3-720a07f5d021

Vale mais do que mil argumentos. E não parou por aí, valendo destacar outro slide:

lula-comandante-maximo-denuncia

Falta pouco, agora.