Saudade de notícia boa? Agência de classificação de risco melhorou perspectiva para o Brasil

Cédulas de reais. Foto: Pixabay.

Lembra o grau de investimento? O Brasil o conquistou durante o governo Lula, foi extremamente e merecidamente comemorado, mas tudo foi pelos ares durante a gestão Dilma Rousseff, que ignorou todos os alertas e deixou a economia brasileira ir para o saco.

Pois bem… O grau de investimento é dado por agências de classificação de risco. E a Moody’s, uma das mais importantes, deu ao Brasil nesse último 15 de março uma melhora na perspectiva da nota. Nada de outro mundo: de negativa para estável. Isso significa que não mais espera pioras de nossa economia. Mas nada disso deixa a notícia menos importante.

Porque os resultados positivos só virão após a estabilização econômica. O sinal dado pela Moody’s é de que as reformas conquistas pela gestão Temer foram importantes em podem resultar em coisa boa em breve.

Enfim… Mais uma vitória para você que foi às ruas pedir o impeachment de Dilma Rousseff. Pode comemorar.

Desastre completo: Depois da Fitch e S&P, agência Moody’s também rebaixa o Brasil

dilmarouseffbrazil-kLdD--621x414@LiveMint

A agência Moody’s retirou o “grau de investimento” do Brasil nesta quarta-feira. Isso significa que agora nossa economia é considerada oficialmente “lixo” pelas três principais agências de classificação de risco do mundo.

O resultado imediato será a debandada de investimentos estrangeiros, já que diversos fundos de pensão americanos são impedidos por estatuto de investir em países sem o grau de investimento.

Em seu relatório, a Moody’s elencou os motivos para ter rebaixado o Brasil em dois níveis de uma vez só (de Baa3 para Ba2, sem passar pelo Ba1): a “escala do choque para a economia brasileira”, (ou seja, o tamanho do rombo causado por Dilma e pelo PT), a “falta de progresso do governo em atingir seus objetivos de reforma fiscal e econômica” (ou seja, a total incompetência política e administrativa do governo) e a “dinâmica política que deve persistir nesse período” (ou seja, a rejeição recorde da presidente).

Talvez seja injusto afirmar que o Brasil foi rebaixado. Dilma foi rebaixada. O PT foi rebaixado. Infelizmente, toda a população brasileira vai ter que pagar o pato.

Moody’s rebaixa Petrobras pela 3ª vez no ano; Fitch rebaixará o país todo mesmo

A incapacidade deste governo é tanta que, de uma vez, duas agências descem o sarrafo (merecidamente) no Brasil. A Fitch provavelmente tirará do país o selo de “bom pagador” (o que ainda estamos fazendo com tal selo, aliás, é um mistério) e a Moody’s acaba de rebaixar a Petrobras PELA TERCEIRA VEZ SÓ NESTE ANO.

O rebaixamento nacional, aliás, é dado como certo pelo governo.

E vale lembrar que a Petrobras agora concorre ao OSCAR DA CORRUPÇÃO (é sério).

Dilma Rousseff - Edson Fachin

Dilma Rousseff colhendo prestígio no mundo todo.

Agência de risco baixa ainda mais a nota do Brasil

Dilma Rousseff - Joedson Alves - AP
Foto: Joedson Alves/AP

Segue trecho de reportagem da revista Isto É, com informações da Agência Estado:

“Segundo a Moody’s, “o desempenho econômico mais fraco do que se esperava, a tendência relacionada de elevação dos gastos do governo e a falta de consenso político sobre reformas fiscal vai impedir as autoridades de alcançarem superávits primários suficientemente altos para conter e reverter a tendência de elevação da dívida neste ano e no próximo, e vão desafiar sua capacidade de fazê-lo mais tarde”. “Como resultado disso, a carga da dívida do governo e a capacidade de pagamento continuarão a deteriorar materialmente em 2015 e em 2016, em comparação com as expectativas anteriores da agência de rating, para níveis materialmente piores do que outros países com ratings Baa. A Moody’s tem a expectativa de que a carga de dívida crescente se estabilize somente perto do fim do governo atual”, diz a nota”

Por enquanto, ainda fica mantido “grau de investimento”.