Saque do FGTS: entenda como será, quais os limites e quem poderá retirar o dinheiro

Michel Temer anunciou a possibilidade de saque do FGTS para o pagamento de dívidas. Uma medida ótima, que segundo as projeções poderá injetar cerca de R$ 30 bilhões na economia. Mas claro que IMEDIATAMENTE a coisa ganhou abordagens equivocadas, exageradas ou mesmo totalmente doidas.

É preciso, antes de tudo, colocar a ideia num conceito correto: será liberado o saque de até R$ 1000,00 das contas inativas. Então, aos fatos:

1 – O que são contas inativas?

São aquelas que, apesar de terem dinheiro, não são mais movimentadas. Ou seja: determinada pessoa trabalhou sob registro, foi recolhido o dinheiro do fundo, mas o contrato foi rescindido sem que ela pudesse sacar. O dinheiro está lá, mas parado, e assim ficaria para sempre. Para saber se há uma conta inativa em seu nome, basta consultar o site da Caixa.

2 – Qual o limite?

Sim, é de R$ 1000,00. Porém, não foram poucos os posts de gente falando (sem ironia) que pegaria TODA a grana para “comprar um carro” ou algo assim. Não, não vai dar para fazer isso. Primeiro, por causa do valor, limitado aos mil reais; segundo pelo motivo exposto a seguir.

3 – Quais as condições?

Será para o PAGAMENTO DE DÍVIDAS. Não será permitido sacar essa grana para fazer uma compra ou algo do tipo. Ainda falta uma regulamentação pormenorizada, explicando o tipo de dívida que permitirá o saque. Ainda assim, será para quitar débitos.

Enfim, é uma ótima medida, e que revela quão ridículo ainda é nosso sistema. Convenhamos, é inadmissível que o trabalhador tenha uma conta, em seu nome e cujo dinheiro seja 100% seu, mas sem a capacidade de dispor desse montante como bem entender.

O anúncio de agora é positivo sob qualquer ponto de vista, mas também deixar claro que ainda falta muito para que as coisas entrem minimamente nos eixos quanto à liberdade individual e, claro, também a liberdade de empreender.