Em votação aberta, Senado decide MANTER a prisão de Delcídio Amaral

Parecia ser o caso de mais uma pizza, mas a coisa foi revertida a tempo. Renan Calheiros (PMDB/AL), Presidente do Senado, em princípio decidiu pelo voto SECRETO, mas deixando ao plenário confirmar ou reformar tal decisão. Em seguida, praticamente todas as bancadas MUDARAM o entendimento, fazendo com que fosse aberta a votação sobre a validade da prisão de Delcídio Amaral (PT/MS), líder do Governo Dilma no Senado.

O PT e Jader Barbalho, por suas vezes, votaram para que fosse mesmo secreto. E perderam.

Em seguida, os senadores votaram o MÉRITO da matéria, e a maioria absoluta votou em favor de MANTER a prisão. Delcídio continua preso, para desespero do PT, do governo e até do Brahma.

Leia mais: Líder do governo no Senado é PRESO pela PF na Lava Jato
Leia mais: Líder do governo no Senado é PRESO pela PF na Lava Jato

A investigação do senador petista continua, bem como a Operação Lava Jato. A decisão de hoje representa uma.

RJ: pacificação “de mentirinha” leva o caos às outras cidades

SEMPRE falamos aqui que a tal “pacificação” alardeada pelo governo do RJ era uma mentira, uma fraude. Eles avisam antes – bem antes – que “pacificarão” uma comunidade, traficantes e bandidos em geral fogem (levando consigo, obviamente, armas e mercadorias variadas). No máximo, são presos uns 2 ou 3, pegam 3 gramas de maconha e pronto. TÁ PACIFICADO. Não, não está. Porque o bandido não foge para empreender uma carreira profissional dentro da lei, APENAS MUDA SUA PRAÇA DE ATUAÇÃO.

O governador (risos) e uma amiga brincando o carnaval.

Há três reportagens esclarecedoras no jornal O Globo. Vejam aqui, aqui e aqui. A seguir, trecho de uma delas (voltamos em seguida):

Bandidos fugidos do Rio loteiam Niterói para cometer assaltos – Segundo policiais, traficantes da Mangueira tomaram o Morro do Preventório, em Charitas (…) O caso aconteceu em um banco na Rua Gavião Peixoto, em Icaraí, um dos bairros mais nobres da cidade dividida agora por duas quadrilhas de traficantes que fugiram para morros do município, expulsos do Rio pela expansão das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Segundo policiais civis e militares de Niterói, traficantes do Morro da Mangueira tomaram a favela do Morro do Preventório, no bairro da Charitas, enquanto criminosos das favelas do complexo da Maré, expulsos pela chegada de policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), e de Senador Camará, onde a Polícia Militar tem atuado constantemente, ocuparam o Morro do Cavalão, no Centro de Niterói. Pelo menos 30 bandidos já estariam agindo na cidade e seriam os responsáveis pela onda de violência. Assaltos com reféns, arrastão e roubos de veículos se tornaram normais nos últimos três meses em bairros como Icaraí, Ingá e São Francisco. O GLOBO procurou a assessoria do governador Sérgio Cabral e do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, para que falassem sobre o assunto, mas eles preferiram não comentar o caso…” (grifos nossos)

Comentário
Comprovado, por meio de tristes fatos, algo óbvio que já se diz há tempos: NÃO EXISTE PACIFICAÇÃO SEM PRISÃO. O governo do Rio de Janeiro faz uma maquiagem mequetrefe e irresponsável em alguns morros da capital, sem prender ninguém, e as cidades próximas pagam o pato, sofrendo ondas de violência e criminalidade.

Se alguém duvidava do fracasso dessas UPPs, aí estão os fatos. Perguntem a alguém de Niterói, Caxias ou Cabo Frio o que eles acham disso. A recomendação, na verdade, é nem aparecer lá, porque a coisa tá feia. Esse é Sérgio Cabral, o mesmo que desaparece sempre que acontece catástrofe, explosão, desmoronamento de prédio… Mas curte uma festinha em carnaval e réveillon porque ele não é de ferro.

Ministro Bezerra compra o MESMO terreno duas vezes e desmama o erário

Leiam trecho de reportagem da Folha, já voltamos:

Ministro da Integração é acusado de comprar terreno duas vezes – O ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) utilizou recursos públicos para comprar um mesmo terreno duas vezes, quando era prefeito de Petrolina (PE), informa reportagem de Catia Seabra e Felipe Seligman (…) A primeira compra ocorreu no final de seu primeiro mandato, em 1996, por R$ 90 mil. Na segunda, já em 2001, durante seu segundo mandato, pagou R$ 110 mil. Nas duas vezes, o dinheiro beneficiou o mesmo empresário, José Brandão Ramos, sob a mesma justificativa: transformar a área em um aterro sanitário (…) O ministro admitiu, por intermédio de sua assessoria, que o terreno foi comprado duas vezes pela Prefeitura de Petrolina (PE), mas afirmou que foi induzido a erro pela gestão do prefeito Guilherme Coelho, seu primo, que o sucedeu em 1997.” (grifos nossos)

Comentário:
Fernando Bezerra (PSB/PE) já mostrou que é FERA. Primeiro quando foi descoberto que destinou 90% das verbas antienchente para sua região eleitoral, Pernambuco, cujo governador Eduardo Campos vem a ser seu padrinho político. Depois, descobre-se que seu filho foi o maior beneficiário nas emendas de sua pasta – e em benefício de uma empresa pública presidida pelo IRMÃO DO MINISTRO.

Agora, mais uma: quando prefeito de Petrolina/PE, Bezerra comprou O MESMO TERRENO DUAS VEZES. E, para piorar (parece impossível, mas piora), o beneficiário é José Brandão Ramos. Somem todos os fatos e façam a pergunta a si próprios: COMO DIABOS UM CARA DESSES É NOMEADO? E POR QUE MOTIVO AINDA FICA?

E agora, para a “oposicinha”: vocês REALMENTE vão continuar bajulando Eduardo Campos? Não seria essa uma boa hora para ao menos PARECER que fazem uma verdadeira oposição? Afinal, SOBRETUDO DIANTE DESSAS CATASTRÓFICAS ENCHENTES, como é possível defender o padrinho político do ministro que liberou 90% da grana para seu próprio estado?