37% dos mineiros não querem Aécio candidato; para 50%, denúncias são verdadeiras

O instituto Paraná Pesquisas divulgou levantamento realizado em Minas Gerais. Pelas tantas, perguntam sobre o senador Aécio Neves (PSDB). Confiram alguns dos números:

O Sr. Aécio Neves deveria ser candidato a Presidente da República, Governador de Minas Gerais, Senador ou a Deputado Federal?

Não sabe 4,5%
Não deveria se candidatar 36,9%
Presidente da República 19,9%
Governador de Minas Gerais 19,0%
Senador de Minas Gerais 13,3%
Deputado Federal 6,5%

As denúncias de corrupção contra o Senador Aécio Neves são verdadeiras ou falsas?

Verdadeiras 50,8%
Falsas 32,4%
Não sabe/não opinou 16,9%

Mais um levantamento cujos números inviabilizam a candidatura presidencial de Aécio Neves. Aliás, mesmo a estadual estaria complicada, já que na mesma pesquisa há números sobre a corrida ao governo, e o petista Fernando Pimentel, atualmente no cargo, lidera com 23%.

Para o senado, porém, Aécio Neves lidera com 39%.

Paraná Pesquisas: novos números inviabilizam Aécio Neves e consolidam Jair Bolsonaro

Embora o levantamento tenha sido restrito ao São Paulo, é possível tirar algumas conclusões e, como prometido, isso será feito agora, de forma pormenorizada. O que chama atenção mais imediata, claro, é a boa posição de João Doria, na liderança. Mas há outros fatores que merecem comentos.

Aécio Neves

Confirmados tais números, ele estaria inviabilizado. Quarta colocação no maior colégio do país? Aí, não tem como. Soma-se a isso as derrotas recentes “dentro de casa”, temos uma situação pra lá de complexa. E lembrando que as delações que o comprometeriam nem mesmo foram liberadas.

Enfim, talvez seja estrategicamente mais razoável concorrer ao governo de Minas Gerais ou, para garantir mesmo, repetir a dose no Senado.

Jair Bolsonaro

Muitos apostavam (e apostam) que nenhum partido daria legenda, que no fim não seria candidato, entre especulações do tipo. Bobagem. Na faixa dos 15% entre o eleitorado paulista, é um nome consolidado. Um fato posto, gostem ou não os adversários.

Com tais números, é natural que surjam ofertas mais generosas de diversas legendas.

Marina Silva

Seria mesmo um feito impressionante manter a posição de “terceira via” por mais essa eleição. Mas não tem como. Em 2010, estava forte; em 2014, houve aquela onda depois da tragédia com Eduardo Campos, mas no fim chegou pior que na eleição anterior.

E agora, a quarta colocação. Resta saber, claro, como será no resto do país, mas a tendência é mesmo que Jair Bolsonaro a supere.

Pesquisa presidencial entre eleitores de SP: 1º Doria, 2º Lula, 3º Bolsonaro

Sob encomenda da Jovem Pan, o instituto Paraná Pesquisas realizou levantamento sobre a preferência dos eleitores paulistas sobre a eleição presidencial do ano que vem, com 2.035 pessoas.

Confiram alguns dos números, voltamos em seguida:

Cenário com Doria

João Doria 26,3%
Lula 15,2%
Jair Bolsonaro 12,2%
Marina Silva 11,6%

Cenário com Alckmin

Geraldo Alckmin 24,6%
Lula 14,5%
Jair Bolsonaro 13,6%
Marina Silva 10,2%

Cenário com Aécio

Lula 15,8%
Jair Bolsonaro 14,3%
Marina Silva 12,5%
Aécio 11,9%

Preferência entre Tucanos

João Doria 32,5%
Geraldo Alckmin 23,6%
José Serra 10,4%
Aécio Neves 7,1%
Beto Richa – de 1%

Comentários

O óbvio: a pressão será cada vez maior para que Doria se lance candidato. Por mais que opositores – externos e internos – lancem mão de seus comentários e “análises”, se os números continuarem assim será quase impossível evitar.

Outra observação é que Aécio Neves talvez possa dar adeus à candidatura, se esses números de fato correspondem à realidade. Uma quarta colocação com o maior eleitorado do país é algo que inviabiliza qualquer candidatura, mas isso será objeto de análise em separado, noutro post daqui a algumas horas.

Mais um ponto: Jair Bolsonaro é um nome posto e consolidado. Ao que parece, será ele a “terceira via”, até então algo restrito à esquerda: Garotinho/Ciro, Cristóvam Buarque e Marina Silva. Esta última, aliás, talvez devesse reconsiderar a ideia da campanha presidencial, de repente saindo para senadora.

Os próximos capítulos incluem a articulação entre prefeito e governador do estado. Para tanto, é imprescindível uma pesquisa nacional, porque o levantamento restrito a São Paulo é bom para medições e análises mais especulativas, mas não define nada – só mesmo rejeições e inviabilidades, como a de Aécio Neves.

Nova pesquisa: João Doria é aprovado por 70% dos paulistanos e 80% apoiam o “Cidade Linda”

O instituto Paraná Pesquisas fez um levantamento sobre o prefeito de São Paulo, João Doria, com 1004 eleitores da cidade, entre os dias 25 e 28/03. Sim, é “de agora”. Quem nos informa é a colunista Vera Magalhães, no Estadão.

Segundo a pesquisa, ele é aprovado por 70% da população, sendo que o índice é ainda maior com os mais jovens: 75%, entre aqueles de 16 a 24 anos. Além disso, o programa “Cidade Linda”, que envolve entre outras ações a limpeza de paredes pichadas, é aprovado por 80% das pessoas.

Nota-se, portanto, que há mesmo base para o início de um clamor para que seu nome seja colocado na corrida presidencial. Mais ainda, também confirma-se o desespero da esquerda que já começa a apelar para todo tipo de coisa.

2018 já começou.

Paraná Pesquisas: rejeição a Lula passa dos 45%; Bolsonaro tem 17%, menos que Aécio e Temer

O instituto Paraná Pesquisas fez um levantamento nacional sobre a rejeição dos potenciais candidatos à Presidência da República em 2018. E o vencedor foi Lula. Confiram os resultados a seguir:

Lula 45,7%
Aécio Neves 25%
Michel Temer 24,4%
Jair Bolsonaro 17,9%
Marina Silva 12,3%
Roberto Justus 9,9%

Esta conta é importantíssima, muitas vezes até mais do que as intenções de voto. Isso porque determina o “teto” de um candidato, ou seja, até onde pode crescer.

Há certo consenso no mundo da política acerca dos 40%, considerado limiar máximo de rejeição com alguma chance eleitoral. E Lula o ultrapassou faz tempo.

Outro dado interessante é que Bolsonaro, sobre quem a grande imprensa só publica notícias desfavoráveis, apareça com menos rejeição que quase todos os “grandes”, exceção feita a Marina Silva.

2018 será interessante. Mais do que muitos supunham.