Confira 38 nomes dos mais de 170 políticos que surgiram na segunda “lista de Janot”

A Globo já dá como certa a citação de pelo menos 170 nomes na segunda “lista de Janot”, dessa vez baseada nas delações da Odebrecht para a operação Lava Jato. São autoridades que têm ou já tiveram em algum momento foro privilegiado.

Deste grupo maior, a emissora já confirmou um total de 38. E, ao que tudo indica, seguirá o mesma rotina de verões passados: a cada nova edição do Jornal Nacional, um novo punhado de autoridades é revelado de forma a deixar o assunto sempre em pauta.

O Implicante resume abaixo os 38 nomes já conhecidos:

DEM

  1. José Carlos Aleluia
  2. Rodrigo Maia

PMDB

  1. Edison Lobão
  2. Eduardo Cunha
  3. Eliseu Padilha
  4. Eunício Oliveira
  5. Geddel Vieira Lima
  6. Lúcio Vieira Lima
  7. Luiz Fernando Pezão
  8. Marta Suplicy
  9. Moreira Franco
  10. Paulo Skaf
  11. Renan Calheiros
  12. Renan Filho
  13. Romero Jucá
  14. Sérgio Cabral

PRB

  1. Marco Pereira

PSB

  1. Lídice da Mata

PSD

  1. Gilberto Kassab

PSDB

  1. Aécio Neves
  2. Aloysio Nunes
  3. Beto Richa
  4. Bruno Araújo
  5. Duarte Nogueira
  6. José Serra

PT

  1. Andres Sanchez
  2. Antonio Palocci
  3. Dilma Rousseff
  4. Edinho Silva
  5. Fernando Pimentel
  6. Guido Mantega
  7. Jorge Viana
  8. Lindbergh Farias
  9. Luiz Inácio Lula da Silva
  10. Marco Maia
  11. Tião Viana

PTB

  1. Paes Landim

Sem partido

  1. Anderson Dornelles

Skaf insere aplausos falsos em seu programa eleitoral

Paulo Skaf e Dilma Rousseff - skaf e dilma

Na sexta-feira, dia 26, os principais candidatos ao governo do estado de São Paulo apresentaram participaram de um debate transmitido pela rede Record. A íntegra do vídeo pode ser conferida no site da emissora. No entanto, a campanha do candidato Paulo Skaf ignorou a facilidade com que qualquer internauta pode acessar este material e editou grosseiramente o que de fato aconteceu na naquela noite. A começar por inserir imagens do governador Geraldo Alckmin durante a fala final do peemedebista, o que, por si só, vai de encontro às regras do programa:

Vídeo original

No vídeo original, apenas Skaf é enquadrado pela câmera.

Vídeo editado pela campanha de Skaf

No programa eleitoral de Skaf, uma imagem de Geraldo Alckmin é inserida no momento em que seu nome é criticado.

Mas o mais bizarro ainda estava por vir. Ao final, possivelmente descontente com a fraqueza dos aplausos recebidos, assim como a repreensão da parte do apresentador que pediu ao corpo de assessores dos candidatos para não se manifestar, inseriu um áudio de aplausos efusivos que não existiu ao final do debate.

Vídeo original

No vídeo original, apenas poucos assessores de Skaf aplaudem sua fala.

Vídeo editado pela campanha de Skaf

No vídeo editado do programa de Skaf, os aplausos começam bem antes e são mais efusivos.

Não à toa, o colunista Josias de Souza vem apelidando a campanha eleitoral brasileira de “gincana publicitária”. Por mais que haja todo um trabalho por trás a ser defendido e/ou criticado, candidatos com cada vez menos escrúpulos abusam dos recursos de vídeo e retórica para denegrir adversários e enaltecer seus próprios postulantes ao cargo. Além da atenção da parte do eleitor, cabe à imprensa, aquela que sempre deveria ser oposição, defender o interesse maior da população, que é o de saber a verdade.

Skaf e Padilha receberam doações de empresas investigadas pela Operação Lava Jato

Do UOL:

skaf

A campanha de Alexandre Padilha, candidato do PT ao governo de São Paulo, recebeu doação de R$ 20 mil de uma empresa investigada na Operação Lava Jato por participar de esquema de corrupção. Em nota, a campanha do candidato afirmou que “segue os critérios de recebimento de doação determinados pela legislação eleitoral”. Paulo Skaf, candidato do PMDB, também recebeu doações para sua campanha no valor de R$ 2,5 milhões de duas empresas também investigadas pelo esquema de corrupção. A construtora OAS S/A e a Queiroz Galvnao são suspeitas de superfaturar obras contratadas pela Petrobras e por pagar propinas a políticos. A campanha de Dilma Rousseff também recebeu diretamente R$ 25 milhões de empreiteiras suspeitas de participar do esquema.

Skaf cai e pesquisa aponta reeleição de Alckmin no primeiro turno

Do Estadão:

skaf

A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (09) apontou queda nas intenções de voto de Paulo Skaf (PMDB) para o governo de São Paulo, com 18%. Caso a eleição fosse nesta terça, Geraldo Alckmin (PSDB) seria reeleito no primeiro turno, com 48% das intenções de voto. Em terceiro lugar, aparece Alexandre Padilha (PT), com 8% das intenções.

Professora aposentada é sócia de projeto bilionário do filho de Skaf

bróderes
bróderes

Deu no Diário do Grande ABC, trechos a seguir:

“Professora é sócia de filho de Paulo Skaf – Professora aposentada da rede pública integra grupo seleto de projeto bilionário encabeçado por André Skaf, filho do candidato ao governo do Estado pelo PMDB, Paulo Skaf. Coordenadora de creche particular em Santos, a educadora Danira Pereira é sócia da SD Consultoria e Projetos, empresa que participa de conjunto de companhias que ganhou concessão do empreendimento, sob responsabilidade da Harpia Logística. Com previsão de investimento de R$ 1 bilhão em dez anos, a proposta engloba a construção do aeroporto de Parelheiros, na Zona Sul da Capital. A equipe do Diário esteve sexta-feira na sede da SD, no bairro Gonzaga, em Santos, local onde reside Danira e seu marido, Silvio Pereira, dono igualitário na companhia, que tem capital de giro no valor de R$ 6.000 (R$ 3.000 de cada). A SD injetou R$ 134 mil na Skaf Infra Participações (confira arte ao lado), de André, incluindo representatividade no negócio, denominado de Aeródromo Privado Rodoanel (…) Se por um lado há casal simples, o projeto de André Skaf tramita em conjunto com Fernando Botelho, herdeiro da Camargo Corrêa, uma das maiores empreiteiras do País e grande doadora de campanhas eleitorais. Postulante a cargo de chefe do Palácio dos Bandeirantes, Paulo Skaf defendeu no dia 12 a proposta do filho e implantação do terceiro aeroporto na Capital. Na ocasião, o peemedebista afirmou que a região precisa de investimento para gerar emprego e renda. O aeroporto ocuparia área de 4 milhões de metros quadrados ao lado da Represa do Guarapiranga. O local tende a receber serviços de táxi aéreo e helicópteros particulares. A pista teria 1.830 metros, 230 a mais que a do Campo de Marte, na Zona Norte, também destinado à aviação privada. A projeção é ter fluxo de ao menos 1.000 pessoas por dia. Aposentado, Silvio Pereira é engenheiro civil e ex-funcionário da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), entidade presidida por Skaf por dez anos. Segundo ele, seus sócios “já investiram bastante” no empreendimento e a SD entrará com “capital intelectual”. “Quanto vale a ideia de fazer negócio deste tamanho e ter noção de aeroporto? Esse ‘recurso’ é fruto de anos de experiência e estudo. No grupo é necessário pessoas especializadas.” André Skaf não foi localizado para comentar o assunto (…)  Proposta foi aprovada em tempo recorde em Brasília – O projeto do aeroporto em Parelheiros teve aval recorde na Sac (Secretaria de Aviação Civil), órgão ligado ao governo federal. A liberação final da proposta se deu em agosto de 2013, depois de apenas cinco meses do protocolo em Brasília, firmado pela empresa Harpia Logística, que lidera o grupo no empreendimento aeroviário. A Pasta é chefiada pelo ex-deputado Wellington Moreira Franco, inserido dentro na cota do PMDB, partido de Paulo Skaf, pai de um dos maiores interessados no negócio. Moreira Franco assumiu o cargo comissionado no dia 20 de março do ano passado. Um dia após a posse do peemedebista na secretaria, a Harpia Logística entrou com o pedido de solicitação para erguer o aeroporto. À época, a empresa tinha somente sete meses de fundação – iniciou suas atividades no dia 13 de agosto de 2012. A outorga, portanto, foi cedida à companhia, na oportunidade com um ano de abertura das portas, mesmo sem haver histórico de atuação no setor. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) concedeu à empresa licença de uso do espaço aéreo. O aeroporto, por sua vez, continua vetado pela prefeitura de São Paulo, sob a alegação de estar localizado em área de preservação ambiental. “Não conseguimos mexer em nada”, atestou Silvio Pereira, sócio no projeto. “Ideia é fazer parque ao lado do aeródromo, como compensação. Terá zero de impacto”, concluiu. A Justiça de São Paulo negou o pedido da Harpia para obter a certificação de uso e ocupação do solo. Sem a licença, recusada pelo Paço paulistano, a empresa não pode começar o projeto.” (grifos nossos)

Que coisa, hein?

Ainda sobre Skaf, sugerimos a leitura disso e disso.

Dilma comemora apoio de Skaf

Da página de Dilma Rousseff:

dilma comemora

O trecho a seguir é do site da candidata:

Dilma recebeu neste sábado (30) uma forte manifestação de apoio do PMDB, do PSD e de outros partidos aliados em São Paulo. Paulo Skaf, candidato a governador, e Gilberto Kassab, candidato a senador, discursaram pedindo apoio à reeleição de Dilma e Michel Temer.”

Skaf tenta fugir o quanto pode, mas a verdade é essa: ele é um dos candidatos da Dilma para o governo de São Paulo. Diante da situação de Padilha, hoje ele é mesmo a principal chance do PT nacional fazer parte do governo paulista.

Vale também o vídeo abaixo.

Dilma e Skaf vão aparecer juntos em santinho de campanha

Da Folha de S.Paulo:

maluf2

Paulo Maluf (PP-SP) vai unir as imagens de Dilma Rousseff (PT) e Paulo Skaf (PMDB) nos santinhos de sua campanha à reeleição para a Câmara. Skaf, que está em segundo lugar na corrida pelo governo de São Paulo, tenta ao máximo não aparecer ao lado da presidente, e já até levou uma “chamada” de Michel Temer por causa disso.

Skaf confirma: votará em Dilma pra presidente

Da Veja:

skaf2

Em sabatina promovida pelo jornal O Estado de S.Paulo, Paulo Skaf afirmou que não foi “enquadrado” por Michel Temer, obrigando-o a subir ao palanque com Dilma Rousseff. E revelou que votará no vice-presidente. “Meu voto pessoal é para o presidente do meu partido [Michel Temer, que é candidato à vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff]. Considero-o um amigo. Voto com o meu partido”, afirmou. Temer já havia afirmado publicamente que Skaf faria campanha para Dilma. O candidato, porém, evita falar sobre a presidente em sua campanha, justificando que está “focada em São Paulo”.

Juiz rejeita ação de Skaf contra Alckmin por propaganda no Facebook

Da Folha de S.Paulo:

O juiz Marcelo Coutinho Gordo, do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, declarou improcedente a ação movida pela coligação do candidato Paulo Skaf (PMDB) contra Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta a reeleição, por propaganda eleitoral antecipada na internet. A coligação acusava Alckmin de tentar inflar o número de seguidores de sua página no Facebook com o pagamento de publicidade na rede. Os pagamentos foram feitos por Felipe Sigollo, tesoureiro do diretório municipal do PSDB, com seu cartão de crédito pessoal.

Skaf toma “enquadrada” de Michel Temer

Do blog de Marcelo de Moraes:

skaf

Paulo Skaf quer evitar a presença de Dilma Rousseff em sua campanha, por medo de que a alta taxa de rejeição à presidente em São Paulo não “pegue bem”. Segue o texto:

“A campanha publicitária divulgada ontem por Paulo Skaf, candidato do PMDB ao governo paulista, rechaçando a possibilidade de apoio à presidente Dilma Rousseff em São Paulo, provocou grande mal estar no Palácio do Planalto e aborreceu bastante o vice-presidente Michel Temer. Presidente nacional do PMDB e padrinho da candidatura de Skaf ao governo, Temer ligou para Skaf assim que soube da campanha e avsou ao aliado. “O PMDB paulista estará com Dilma e comigo na campanha nacional.”

A enquadrada de Temer em Skaf inclui uma reunião da Comissão Executiva Estadual do partido, convocada às pressas, que deverá divulgar uma nota oficial confirmando a disposição do PMDB de São Paulo de abrir seu palanque local para a campanha de Dilma.

Adversário direto do petista Alexandre Padilha na disputa pelo governo de São Paulo, Skaf tem rechaçado a possibilidade de abrir seu palanque para Dilma por conta do elevado índice de rejeição da presidente no Estado. Com esse gesto, espera angariar a simpatia dos eleitores e se aproximar do líder nas pesquisas em São Paulo, o governador tucano Geraldo Alckmin.

O problema é que a campanha publicitária usada ontem por Skaf foi considerada extremamente inconveniente no Planalto, com o risco de aumentar o desgaste da imagem da presidente entre os eleitores locais. Nas redes sociais, foi postado um vídeo onde Skaf aparece sentado num trem e é perguntado pelo celular sobre um possível apoio ao PT. A resposta foi extremamente provocativa. Usando o bordão do Cumpadre Washington, do conjunto É o Tchan, surge uma resposta na tela dizendo “sabe de nada, inocente”.

Para integrantes do PMDB paulista, Skaf acabou criando uma crise política na própria campanha, prejudicando seu próprio desempenho.”

Recentemente, Skaf fez piadinha usando o mote “sabe nada, inocente” diante de uma questão fictícia levantada em sua fanpage no Facebook, sobre se ele estaria ligado ao PT. Pelo visto, inocente não foi quem perguntou. E nem quem respondeu.