Após tanto xingar o PMDB de golpista, o PT prometeu apoiar o candidato do PMDB no Senado

Humberto Costa anunciou que o partido dele apoiará a candidatura de Eunício Oliveira para a Presidência do Senado.

Não entendeu a ironia da coisa? O Implicante irá colocar em outras palavras.

O líder do PT anunciou que a bancada petista apoiará a candidatura do candidato do PMDB à Presidência do Senado.

Caso ainda não tenha entendido, o Implicante faz questão de deixar ainda mais claro.

O partido que passou o último ano chamando o PMDB de golpista está apoiando a candidatura do PMDB à Presidência do Senado.

Ficou claro, agora?

O Implicante dedica esta notícia a todos os “ingênuos úteis” – para usar um termo mais simpático – que chamaram de golpe o impeachment de Dilma Rousseff.

Golpe? Parlamentares petistas apoiam nomes de Michel Temer para chefiar Câmara e Senado

O inocente útil é figura clássica da estrutura de militância política. Trata-se daquela pessoa um tanto ingênua, de certa forma até mesmo idiota, que abraça líderes partidários, e mesmo legendas inteiras, defendendo-os de forma cega sem dar importância aos fatos concretos.

Assim foi e é com o “golpe”. A narrativa, já suficientemente ridicularizada no mundo real, ainda encontra eco entre militantes mais empedernidos. Mas eis que o próprio PT resolveu colocar o pragmatismo acima disso.

Como perdeu muitos cargos diante da saída de Dilma Rousseff e também com a derrota avassaladora nas eleições municipais, o partido não pode dar-se ao luxo de abrir mão também dos carguinhos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Desse modo, segundo é noticiado, os parlamentares petistas apoiarão os nomes chancelados por ninguém menos que Michel Temer para presidir as duas casas legislativas.

E a militância? Provavelmente continuará com a idiotice. Afinal, um idiota não é idiota por acaso.

Até o senador petista Jorge Viana manifestou-se favoravelmente à permanência de Renan

É possível fazer ilações e especulações sobre os motivos, que iriam desde “não queria segurar a bronca” a “falou assim para soar gentil”, mas o fato é que Jorge Viana (PT/AC), justamente quem tomaria posse como Presidente do Senado com a saída de Renan Calheiros, tomou posição favorável à permanência do colega no cargo máximo da Casa.

Viana é tido como moderado, raramente aparece em algum bate-boca e possui de fato uma postura em nada agressiva. Não seria uma surpresa ele ter feito uma declaração como essa.

Mas, voltando às ilações e especulações, chama atenção o comportamento geral petista, no sentido de não comemorar a eventual derrocada de Renan. Mesmo boa parte da militância, aquela “não inocente”, parecia ter mais medo do que júbilo.

Curioso. Ou não.

De todo modo, nosso palpite sobre Jorge Viana é outro. Não seria difícil ele já fazer o cálculo do “pós-PT” e, com isso, não teria como fazer o jogo do partido. Como tudo está desmoronando, é natural buscar a preservação da própria carreira.

Permanência de Renan pode ser boa para as reformas, mas aconteceu de forma vergonhosa

Não podemos perder de vista alguns valores essenciais da ética, e este é um caso em que isso se coloca à prova. Sim, a saída de Renan Calheiros da Presidência do Senado seria algo caótico para as reformas e interessava muito aos que pretendem ver esse caos instaurado.

Mas a forma como se deu sua permanência foi sim vergonhosa.

Em primeiro lugar, ele não poderia recusar-se a cumprir uma ordem judicial. É o básico. Chega a ser assustador. Depois, a “saída salomônica” encontrada pelo STF é também espantosa.

Como assim? Ele não tem condições de estar na linha sucessória da Presidência da República e CONTINUA na do Senado? Aplicar o “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa” na regra constitucional de sucessão ao cargo máximo da República não é coisa solúvel em canetada judicial.

Fizeram a famosa e vergonhosa GAMBIARRA, um quebra-galho. E não dá para concordar nem para deixar por menos. Foi sim lastimável.

SIM, as ruas ajudaram no afastamento de Renan da Presidência do Senado!

Há aquela turma do “isso não resolve nada” toda vez que anunciam alguma manifestação. Daí, acontece, e rapidamente dizem que não foi por causa do protesto. Esse script é corriqueiro.

Logo mais, começarão a fazer isso com relação ao afastamento de Renan Calheiros da Presidência do Senado, decidido em caráter liminar pelo Ministro Marco Aurelio de Mello.

Então, adiantemos: sim, as ruas ajudaram.

Isso não quer dizer que um Ministro do Supremo ouça as ruas e esqueça o Direito e a Constituição. É óbvio que não! Mas seria até inocente supor que, SEM AS MANIFESTAÇÕES GIGANTESCAS DE ONTEM, pedindo justamente a saída de Renan Calheiros, a coisa não ganhasse uma urgência extra, sobretudo por conta de uma decisão liminar.

Então, sim, quem foi às ruas tem de comemorar! Isso faz, sim, a diferença!

Para desespero dos que querem tudo como está.

No mais, Renan continua Senador, o afastamento diz respeito à presidência da Casa que, vejam só, agora passa a Jorge Viana, senador do Acre pelo PT.

Ofendeu a pessoa errada: destino de Renan Calheiros está na mesa de Cármen Lúcia

Para entender o que está em jogo, é preciso compreender como as cartas estão dispostas. O Implicante tentará fazer um resumo claro e objetivo em cima de informações reunidas por Josias de Souza:

  • O juiz Vallisney de Souza Oliveira autorizou a Polícia Federal a entrar no Senado para deter algumas forças policiais e realizar buscas e apreensões.
  • Renan Calheiros, presidente do Senado, o chamou de “juizeco de primeira instância“.
  • Cármen Lúcia, presidente do STF, partiu para a defesa do magistrado e exigiu respeito à independência dos poderes.

Contudo, há bem mais em jogo:

  • No início de novembro, o STF irá decidir se um réu pode permanecer na linha sucessória.
  • Alvo de oito inquéritos, Renan Calheiros incrivelmente ainda não é réu. Mas é o terceiro na linha sucessória.
  • Se a Suprema Corte mantiver a posição observada no caso envolvendo Eduardo Cunha, Renan Calheiros não poderá virar réu, ou perderá a Presidência do Senado.

E é aqui que mora o perigo:

  • Renan Calheiros já foi denunciado ao STF por pagar despesas de uma filha com propinas recebidas de uma construtora.
  • Se o STF aceitar a denúncia, ele vira réu.
  • O julgamento aguarda o agendamento da data.
  • O caso está sobre a mesa de… Cármen Lúcia.

Renan Calheiros mirou a Lava Jato e atingiu quem ele menos podia atingir.

Mas nem há muito o que comemorar. Se ele é afastado, a Presidência do Senado cai no colo de Jorge Viana, senador pelo PT, ainda que por algumas semanas. Sim, o PT, aquele partido que faz o diabo para reeleger os próprios candidatos.

Trata-se de uma instabilidade política que não cabe ao Brasil neste momento.