Pesquisa Ipsos demonstrou o óbvio: quem for contra a Lava Jato terá dificuldades em 2018

09/09/2015- Brasília- DF, Brasil- O juiz federal Sérgio Moro durante audiência pública na CCJ do Senado.

Não se trata apenas de “mau negócio” adotar o discurso anti-Lava Jato. Politicamente, seria o mesmo que um suicídio. É o que indicam os números do “Pulso Brasil”, levantamento nacional do instituto Ipsos. No levantamento de julho de 2017, nada menos do que 96% dos entrevistados responderam favoravelmente quanto à continuidade da operação.

Quem teria coragem de adotar discurso contra a opinião da quase totalidade da população? Apenas os que serão prejudicados pela operação e veem como única alternativa desacreditá-la alimentando narrativas contrárias.

Na mesma pesquisa, para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à corrupção combatida pela Lava Jato – uma alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Análise: entenda por que a nova pesquisa nacional deixa o PT em mais uma sinuca de bico

Como falamos mais cedo, o Ipsos divulgou hoje o “Pulso Brasil”, levantamento periódico, de abrangência nacional, com diversas questões sobre governo, política etc. E, para os petistas, um dado é “precioso”: Michel Temer é rejeitado por mais de 90% das pessoas.

Porém, fica difícil divulgarem essa pesquisa, a menos que escondam os outros dados.

Isso porque o mesmo levantamento aponta que, entre os presidenciáveis, Lula é o mais rejeitado, com 68%, e, para 67% da população, o PT é o partido mais enrolado na Lava Jato – operação esta que, por fim, é apoiada também por mais de 90% das pessoas.

E agora? A pesquisa vale ou não vale? Pois é.

Após candidatura presidencial ser suscitada, rejeição a Joaquim Barbosa aumenta 40%

Falamos há pouco da altíssima rejeição a Lula identificada pelo Pulso Brasil, pesquisa sazonal do Ipsos. Mas outro dado merece destaque: a rejeição a Joaquim Barbosa. Isso porque a pesquisa foi a campo exatamente no período em que sua candidatura voltou a ser aventada, agora com mais ênfase.

Ele tinha 26% e agora passou a 37% de rejeição. Esses onze pontos representam um aumento de cerca de 40%.

O instituto revela que o aumento de rejeição foi geral, atingindo até Sergio Moro. Porém, o juiz da Lava Jato (que, frise-se, é aprovada por 96% da população) teve um aumento irrisório, passando de 22 para 28%, mesmo sendo atacado diariamente pela militância de esquerda.

Não há elementos científicos para assegurar de maneira infalível que a especulação sobre a candidatura tenha influído, mas de todo modo foi o ÚNICO acontecimento que trouxe Joaquim Barbosa ao grande público nos últimos dias – e, repita-se, ocorreu durante o período em que o levantamento foi realizado.

Lula é rejeitado por 68% dos brasileiros, diz nova pesquisa nacional do Ipsos

Embora apareça como “líder” em algumas pesquisas – mesmo com o piso histórico dos 30% -, ao que tudo indica Lula terá muito trabalho para convencer o outro percentual da população. Isso porque, segundo informa o novo “Pulso Brasil”, do Ipsos, a rejeição ao petista vai a 68%. Ele fica atrás de Michel Temer (93%) e Dilma Rousseff (82%), mas o problema é que estes dois não serão candidatos à Presidência em 2018.

Para piorar um pouco mais as coisas, 67% dos entrevistados responderam que o PT seria o partido mais associado à Lava Jato. E mais: 96% querem que a operação continue. O levantamento foi realizado entre os dias 1 e 13 de junho, por meio de 1,2 mil entrevistas pessoais e domiciliares, em 72 municípios do país.

Para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à Lava Jato – alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Sergio Moro x Lula: quem é mais popular e quem tem maior rejeição? Confira os dados do Ipsos

O “Pulso Brasil” é um monitoramento da opinião pública sobre política, economia e outras questões. Trata-se de um levantamento realizado pelo Ipsos Public Affairs desde 2005. De todos os vários dados interessantes da pesquisa realizada em maio deste ano, há um comparativo que chama atenção: aprovação/rejeição de Lula e de Sergio Moro.

E é interessante comparar pois, como se sabe, Lula pretende lançar sua candidatura à presidência quando do depoimento à Lava Jato, opondo-se então de forma direta e objetiva à pessoa de Sergio Moro.

Um embate desse tipo, portanto, nada mais é que um enfrentamento de forças de aprovação e rejeição. Desse modo, confiramos os dados de cada um, segundo o “Pulso Brasil”:

Sergo Moro

Lula

Legendas: em azul, aprovação (total ou parcial); em vermelho, rejeição (total ou parcial); e, em cinza, “Não sabe/não conhece”.

Pois é. Talvez Lula devesse repensar a estratégia de entrar num embate com Sergio Moro. Tudo indica que será uma péssima estratégia.