Vergonha internacional: as Olimpíadas das águas imundas

No ano que vem, daqui a cerca de seis meses, terão início os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a tão esperada Rio-2016. Como sabemos, o país atravessa uma severa crise econômica, com milhões de desempregados e um quadro desolador. Não seria o caso, portanto, de realizar tal evento.

Ainda assim, nós o faremos, exercendo o terrível folclore da pessoa falida que não perde a pose e mesmo repleta de dívidas ainda assim realiza festas imensas e luxuosas.

Foto: Silvia Izquierdo

Para piorar, a imprensa internacional faz o que por aqui não se vê muito: fiscaliza de verdade a poluição das águas do Rio de Janeiro. E o quadro é a um só tempo vergonhoso e assustador.

Vejam algumas das imagens divulgadas pela Associated Press:

Foto: Leo Correa

Foto: Silvia Izquierdo

Foto: Felipe Dana

Foto: Silvia Izquierdo

Foto: Silvia Izquierdo

Foto: Leo Correa

Um vexame. E também um grande risco à saúde dos atletas.

Segurança olímpica já custa R$ 930 milhões ao Brasil e aumentará após atentados em Paris

Foto: Artyominc

O Ministério da Defesa brasileiro arcará com R$ 580 milhões, enquanto o da Justiça desembolsará R$ 350 milhões. Somados, os R$ 930 milhões são quase quatro vezes os R$ 252 milhões que o Comitê Olímpico Internacional prometeu há seis meses gastar com segurança privada. Segundo a Folha, “a conta começará a aumentar na prestação de serviços. Há um entendimento de que deve se ampliar o número de pessoas envolvidas no monitoramento de redes sociais, por exemplo“.

Foto: Artyominc
Rio de Janeiro | Foto: Artyominc

Mas a verdade é que as nações mais visadas estão mandando seus próprios times para trabalhar a segurança de seus atletas. Os Estados Unidos conseguiram autorização para montar um escritório próprio que depois será utilizado pelo DEA, a divisão de narcóticos americana. A França terá estrutura semelhante. Israel e Rússia foram mais rápidos e já estão no Rio há um tempo estudando a violência local e traçando rotas de fuga. Quanto aos brasileiros, precisão se proteger com a ABIN mesmo.

Olimpíada do Rio custará 4,5 vezes o que Dilma economizará congelando salários e cancelando concursos

Ao congelar os salários do servidores federais até agosto de 2016, Dilma pretende economizar R$ 7 bilhões. Ao cancelar concursos públicos para o ano que vem, a expectativa é de uma economia de R$ 1,5 bilhão. Há um mês, a imprensa mostrava que o custo dos Jogos Olímpicos de 2016, a serem realizados na cidade do Rio de Janeiro, havia chegado a R$ 38,67 bilhões, ou 4,5 vezes o que a presidente espera economizar com as drásticas medidas de seu pacote fiscal. Só com o Comitê Rio-2016 foram gastos R$ 7,4 bilhões. E este total ainda deve crescer, pois o somatório deixou de incluir 2 dos 46 projetos em andamento.

15jun2012---a-presidente-dilma-rousseff-recebe-no-palacio-do-planalto-em-brasilia-atletas-que-participarao-das-olimpiadas-de-londres-1339793781435_615x300
Leia também | Governo Dilma já viu a bolsa brasileira perder o equivalente a R$ 4 TRILHÕES

 

Para mais informações:
Custo da Olimpíada do Rio sobe e chega a R$ 38,67 bilhões

Olimpíada terá impostos isentos em R$ 3 bilhões; 10% do rombo do orçamento

Dilma Rousseff - Tocha Olímpica - Adriano Machado - UOL

Tom Jobim cunhou uma das frases que sintetizam o país: “O Brasil não é para principiantes”. Pois a coisa parece cada vez mais grave, complexa e até tragicômica. O absurdo da vez é a isenção fiscal concedida por conta das Olimpíadas de 2016, de R$ 3 bilhões, no mesmo momento em que o governo envia para o Congresso Nacional um orçamento já arrombado em R$ 30 bi.

Os jogos do Rio deixarão de recolher impostos num total que chega a 10% do rombo orçamentário, justamente num contexto de ajuste fiscal, sacrifício coletivo, aumentos de alíquotas e até a chance de criação de novo tributo.

Este governo é uma piada. E uma piada de péssimo gosto.

Olimpíadas: Rio aumenta gastos e Tóquio economiza

Toquio - Olimpíadas

Esse é um daqueles casos aparentemente pouco relevantes, mas que servem para demonstrar todo um estado de coisas. O Japão, país rico e desenvolvido, não desperdiça dinheiro, fiscaliza gastos públicos e racionaliza os valores gastos na Olimpíada a ser realizada em Tóquio, em 2020.

Já o Brasil, país com problemas profundos e um histórico deplorável de desvios, além de necessidades extremas, crise econômica galopante e população vivendo à beira de esgotos abertos, aumenta os gastos com a competição a ser realizada no Rio no ano que vem.

Vergonhoso, para dizer o mínimo. Segue trecho da reportagem do Estadão:

“Enquanto o Rio vai cumprindo sua missão olímpico com aumento em seu orçamento, o Japão, que receberá os Jogos Olímpicos de 2020, aprovou recentemente um plano para reduzir o investimento de construção do principal estádio da competição de Tóquio, depois da oposição pública ao projeto inicial. A revisão, aprovada pelo gabinete governamental, prevê que o custo do estádio será de 155 bilhões de ienes (o equilvalente a R$ 4,57 bilhões), abaixo do plano inicial, de 252 bilhões de ienes (R$ 7,44 bilhões).”

Uma lição de sabedoria de um povo que merece aplauso.

Equipe da prefeitura é assaltada em evento-teste dos jogos de 2016

Foto: Glaucon Fernandes/Eleven
Foto: Glaucon Fernandes/Eleven

A informação é da Gazeta do Povo, trecho a seguir:

“Jornalistas a serviço da prefeitura do Rio de Janeiro que acompanhavam o evento-teste de ciclismo de estrada para a Olimpíada foram assaltados na manhã deste domingo (16). O crime ocorreu na entrada do Elevado Joá, na Avenida Ministro Ivan Lins, por volta de 8 horas da manhã. Foram levados um celular de uma repórter e a câmera de uma fotógrafa.”

Patético.